Bauru contabiliza quase 250 servidores da saúde afastados pela Covid-19
Profissionais da saúde formam o grupo de servidores municipais que mais tem sido atingido pela pandemia de coronavírus
Compartilhe

No total, 246 trabalhadores do município foram colocados em isolamento preventivamente, mas 84 acabaram infectados pelo coronavírus. Prefeitura deu início a testagem entre servidores.

A pandemia do coronavírus tem afetado a população de uma forma generalizada, mas muitos profissionais da saúde, por estarem na linha de frente do combate à doença, acabam infectados e precisam ser afastados das suas funções.

Apenas em Bauru, um levantamento feito pela prefeitura, mostra que até agora quase 250 servidores municipais precisaram parar de trabalhar por causa da Covid-19.

Segundo o levantamento, desde o início da pandemia, 246 servidores públicos municipais da saúde deixaram o trabalho preventivamente por causa da suspeita de contaminação por coronavírus. Isso quer dizer que, de cada 100 servidores da área, 16 já tiveram que deixar de trabalhar para cumprir o isolamento social em casa.

Desse total de afastados de forma preventiva, 84 servidores acabaram diagnosticados com a Covid-19. A enfermeira Edjane Fátima de Araújo, que está entre os profissionais que receberam o resultado positivo para a doença, relata os efeitos provocados pelo afastamento por 14 dias de suas funções no Pronto-Socorro Central (PSC).

“Não foram apenas as alterações clínicas no corpo, mas o pior mesmo foi o medo, porque a gente conhece os sintomas e sabe que muitos infectados acabam evoluindo para a forma mais grave. Então, nosso psicológico precisa estar muito bom pra gente superar”, conta Edjane.

Além do drama pessoal para o servidor, a ausência desses profissionais que são afastados pode gerar mais custos ao município e até interferir no atendimento ao público.

A enfermeira Edjane Fátima de Araújo, do Pronto-Socorro Central, pegou a Covid-19 e ficou afastada por 14 dias: "Medo é grande" — Foto: TV TEM/Reprodução
A enfermeira Edjane Fátima de Araújo, do Pronto-Socorro Central, pegou a Covid-19 e ficou afastada por 14 dias: “Medo é grande”

“Nesses casos [de afastamento] temos de fazer a reposição e consequentemente há custos extras, como o pagamento de horas extras, e outras vezes até o cancelamento de férias, que é um direito do servidor, para poder suprir essas ausências para minimizar os impactos nos atendimentos”, explica o secretário municipal de Saúde, Sérgio Henrique Antônio.

O levantamento mostra ainda que a Covid-19 também tem provocado o afastamento de médicos. Desde o início da pandemia, 23 médicos foram afastados preventivamente do trabalho na rede pública municipal de Bauru. Desses, 11 tiveram a confirmação da Covid-19 por meio de exames.

Para fazer o mapeamento da situação epidemiológica dos servidores municipais, não apenas os da área da saúde, a prefeitura de Bauru deu início nesta sexta-feira (21) a um processo que pretende testar todos os cerca de 6 mil servidores. No primeiro dia, foram encontrados 24 casos positivos entre 484 testes rápidos aplicados

Na rede estadual

A contaminação também atinge profissionais da rede estadual de saúde. No Hospital de Base, 13% dos funcionários já foram afastados. Já no Hospital Estadual, o índice chega a 18%. De acordo com a direção desses hospitais, os afastamentos não prejudicaram a assistência aos pacientes.

Segundo o sindicato da categoria, a pandemia de coronavírus pode estar potencializando o déficit de funcionários, considerado um problema antigo.

“Aqui em Bauru, por exemplo, muitos servidores se aposentaram e mesmo assim não se contrata, não se abrem concursos e sequer são chamados os concursados que poderiam ser convocados”, explica Mariuze Inês Pereira de Miranda, diretoria regional do sindicato.

Em nota, a Secretaria de Estado da Saúde informou que as contratações de profissionais de saúde são feitas de acordo com a demanda de cada unidade. Segundo a nota, “neste ano, para o enfrentamento da pandemia, foram contratados 6,3 mil novos profissionais de saúde para atuar nos serviços estaduais”.

FONTE: G1

Compartilhe