Bebê de 2 anos passa a reconhecer sons e aprende a falar ‘mamãe’ após receber aparelho
Compartilhe

O pequeno David Gabriel Vicente de Souza, de apenas 2 anos, aprendeu a falar a palavra “mamãe” nesta semana. Esse novo conhecimento, que para muitos pode parecer simples, foi considerado uma grande vitória pela família do menino.

Isso porque o aprendizado só foi possível depois que uma tecnologia do Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais (HRAC) da USP, em Bauru (SP), permitiu que David ouvisse melhor e começasse a reconhecer sons.

David nasceu com Síndrome de Treacher Collins e Sequência de Pierre Robin — Foto: Arquivo pessoal/Rosangela Borges

De acordo com a USP, o hospital em Bauru é o primeiro no Brasil a oferecer esse tipo de tecnologia através da rede pública. O aparelho que David recebeu no último dia 16 é uma banda elástica (softband) com processadores de áudio para os dois ouvidos.

David é de Joinville (SC) e nasceu com síndrome de Treacher Collins e Sequência de Pierre Robin, condições que comprometem os ossos do rosto e também causam perda de audição severa. Com 26 dias, ele foi transferido para a UTI pediátrica do hospital da USP em Bauru, onde passou por cirurgias e iniciou o tratamento com as fonoaudiólogas.

“Eu sabia que ele escutava alguma coisa. Quando a gente falava bem alto com ele, ele escutava o barulho, mas ficava perdido por não saber de onde vinha”, explica a mãe.

Nova vida

Bebê de 2 anos passa a reconhecer sons após receber aparelho de hospital da USP em Bauru

Bebê de 2 anos passa a reconhecer sons após receber aparelho de hospital da USP em Bauru

Com o novo aparelho, David consegue reconhecer os sons e já aprendeu até a falar a palavra “mamãe”. O momento em que ele ouviu pela primeira vez foi gravado pela equipe do hospital.

“Quando colocaram o aparelho e cantaram para ele, ele chorava e olhava pra mim com aquela carinha tipo: ‘Mãe, o que está acontecendo?’ Não tenho palavras para explicar como foi a hora que ele escutou”, conta a mãe.

Mãe de David notou mudança no comportamento do filho depois que ele recebeu aparelho da USP em Bauru — Foto: Arquivo pessoal/Rosangela Borges

Desde então, Rosangela contou que a qualidade de vida do filho melhorou bastante e que, em menos de duas semanas, já foi possível notar a diferença na evolução e no comportamento de David.

Segundo a mãe, o menino pede para colocar o aparelho auditivo apontando para a cabeça e dançando, pois aprendeu a associar o objeto com a música.

“Eu quero que ele veja o aparelho como uma coisa boa. Aí toda vez que a gente coloca o aparelho, minha filha mais velha já vem com uma musiquinha no celular e a mais nova dançando”, explica Rosangela.

Família de David é de Joinville e viaja quase 700 km para fazer tratamento em hospital da USP em Bauru — Foto: Arquivo pessoal/Rosangela Borges

A dona de casa contou ainda que não imaginava que David fosse conseguir o aparelho tão rápido e que os quase 700 km que a família viaja constantemente para o tratamento do menino em Bauru valem muito a pena.

“A gente vê tanta mudança nele, então cada viagem é uma vitória. Se eu tivesse que ir a cada 15 dias eu ia, porque cada vez ele volta diferente”, comemora a mãe.

Fonte: G1

Compartilhe

Deixe uma resposta