Casais em isolamento: como superar momento de convivência intensa sem destruir a relação
Compartilhe

As consequências da pandemia de coronavírus vão além da saúde e da economia. Em Xi’am, na China, houve um recorde no número de pedidos de divórcio nas últimas semanas, segundo o jornal “The Global Times”.

 

O tabloide “New York Post” também informou que advogados especialistas em separação relataram um aumento de 50% na busca de consultas por clientes em potencial no período de isolamento social nos Estados Unidos.

 

A terapeuta de casal e família Pamela Magalhães explica ao G1 que essas crises acontecem porque “no período de isolamento, de confinamento, os casais são obrigados a se olharem, as famílias precisam entrar em contato, reconhecer as suas dinâmicas e o mecanismo sistêmico”.

 

“Não há distração, não tem trabalho, não tem a saidinha, não tem o ‘vou buscar um cigarro lá fora e já volto’, não tem happy hour de quarta, não tem futebol de quinta, não tem as viagens pra distrair, não tem a vida social ativa”, diz a psicóloga.

 

Para Pamela, o aumento no número de separações, como os já registrados na China e nos Estados Unidos, pode acontecer também no Brasil. “Não tem nada a ver com o país. Tem a ver com a condição do confinamento em que os casais são obrigados a entrar em contato com questões. Tudo que já existia tende a agravar.”

 

Ela destaca que as pessoas estão vivendo um momento mais ansioso diante da pandemia: “Se nos rendermos a essas emoções à flor da pele e se a relação já tinha ruídos que antes eram escondidos em algum lugar do armário vai vir tudo à tona.”

 

“Situações como o distanciamento, a desconexão que já existia, agora não tem mais álibi de justificativa pra que não haja o sexo, a conversa, a convivência, a troca. Sem essas desculpas antes convenientes que existiam, o casal é obrigado a entrar em contato”, completa Pamela

 

“Quem não tiver maturidade emocional, resiliência e disposição para se reinventar dificilmente vai sair junto dessa.”

 

O QUE FAZER?

Pamela dá dicas para os casais passarem bem por esta fase.

 

Reconhecer o momento: é um momento tenso, em uma atmosfera ansiosa, que é uma situação que mobiliza nosso estresse;

Pra eu viver um bom dueto, preciso saber fazer uma boa carreira solo: como eu estou frente a essa situação, como meu íntimo está respondendo a tudo isso? Feito esse exercício, aí sim eu posso ir a meu parceiro e dividir com ele como me sinto;

Dividir e perguntar: dividir como estou me sentindo, como é pra mim, perguntar para o outro como ele está. Criar um espaço de conversação que se possa externar as emoções exercita a cumplicidade;

Manter o ambiente de casa o mais pacífico possível mesmo em meio ao caos: Pode se manter informado, não ficar alienado, mas também tem que se preservar;

Alternar o dia a dia com atividades gostosas pro casal: Tudo o que promove sensação de bem estar, prazer, gasto de energia, é muito bem-vindo. Ver filmes, ouvir músicas, fazer comidinha juntos, receitinha, dar risada, conversar;

Manter uma rotina mesmo em quarentena é uma possibilidade de se organizar: A disciplina traz essa sensação de segurança, sentimento de organização. Mais organizado, o dia pode ficar um pouco mais previsível e isso para o cérebro traz uma sensação de segurança.

 

RAFAELLA E LATINO

Morando junto com a namorada, Rafaella Ribeiro, há quase um ano, o cantor Latino cita a importância da individualidade nesse período. “Mesmo estando na mesma casa, é muito importante cada um ter seu momento de privacidade, lendo, vendo um filme, fazendo uma meditação”.

 

“O cantor diz que o casal é “bem tranquilo” e tem tentado seguir a rotina normal dentro de casa. Estamos mantendo os treinos, cozinhando e trabalhando muito’. Nesta fase de isolamento, o casal já se uniu, inclusive, para um projeto musical.

 

Logo após o carnaval, Latino, Rafaella e alguns amigos ficaram em quarentena na casa de uma tia em Angra dos Reis após descobrirem que a anfitriã havia acabado de retornar da Itália. Durante os quinze dias que permaneceram no local, Latino decidiu fazer um clipe.

 

 

“Ansioso que é, Latino resolveu fazer um vídeoclipe divertido para que não pirassem com essa reclusão. Juntou a turma que estava na casa, criaram um personagem para cada um e gravaram”, explica a assessoria do cantor. Rafaella é Lili, que dá nome à música. Ela também participou do roteiro.

Fonte: G1

Compartilhe

Deixe uma resposta