Compartilhe

Determinadas ações que viram “febre” entre os caminhoneiros não têm muita lógica: algumas delas são ilegais e podem resultar em multas 

Código de Trânsito Brasileiro não permite circular com a traseira excessivamente elevada (Foto: Reprodução)

O Brasil é um país rodoviário: ou seja, basicamente tudo que temos em casa, seja o produto final ou um insumo, foi transportado de caminhão em algum momento. Ainda assim, a profissão de caminhoneiro não é valorizada como deveria, e isso é algo que não acontece apenas por aqui, mas ao redor do mundo todo. 

Dependendo da aplicação ou da rota, os caminhoneiros podem passar meses dentro de seus caminhões e, com isso, a personalização para deixar o veículo com a cara do motorista torna-se comum entre aqueles que gostam de ser diferentes e, assim, fazem personalizações. 

Conheça as “modas” entre os caminhoneiros 

Algumas dessas modificações acabam se tornando comuns: você começa a ver o tal acessório ou item de personalização com frequência. Conheça 5 dessas “modas” entre os caminhoneiros: 

5. Traseira alta 

Prática é regulamentada por lei, mas caminhoneiros insistem em ultrapassar o limite 

A traseira alta ou “arqueada” gera polêmicas sem fim: por mais que seja “legalizada” os caminhoneiros passam do limite permitido e criam, às vezes, caminhões com traseiras tão altas que ficam sem sentido algum. 

Alguns adeptos dessa moda alegam que, com a traseira “arqueada”, o caminhão ganha mais estabilidade; porém não existem estudos a fundo a respeito desse assunto, tampouco sobre cada caminhão pode se comportar com tal modificação. 

4. Pintar a bandeira do Reino Unido (Union Jack) 

Muitos caminhoneiros pintavam a bandeira do Reino Unido em seus veículos 

A bandeira conhecida como Union Jack representa os membros do Reino Unido: Inglaterra, Escócia, País de Gales e a Irlanda do Norte. Porém, por algum motivo, alguns caminhoneiros começaram a pintá-la em alguma parte do caminhão, a maioria no parachoque e na grade do caminhão. 

O real significado dessa moda é desconhecido. Talvez algum deles tenha visto a bandeira no teto de um Mini Cooper ou na traseira de um Land Rover (nesse caso, em referência à origem inglesa de tais marcas) e achou que seria interessante colocá-la no caminhão também. Como toda moda é passageira, hoje é menos comum ver caminhões com a bandeira pintada, mas ela ainda adorna um ou outro por aí. 

3. Carregar uma prancha de surf  

Local mais comum para a prancha de surf é atrás da cabine, mas pode ser posicionada em outros lugares de acordo com o gosto do caminhoneiro

Você já deve ter visto algum caminhão com uma prancha de surf atrás ou até mesmo em cima da cabine. Esse acessório pode ter significados diferentes de caminhoneiro para caminhoneiro: alguns a usam apenas como acessório, já outros dizem ser os “surfistas do asfalto”. 

Há ainda os casos de caminhoneiros que vêm do litoral e a usam como conexão com o seu local de criação, assim como muitos deixam um chapéu de vaqueiro no painel, como referência à infância na roça. As pranchas de surf podem ser mais simples ou personalizadas com adesivos e outras imagens, de acordo com o gosto do caminhoneiro. 

2. “Fechar” a janela com adesivos  

Ato de “fechar” a janela com adesivos pode gerar multa

Você provavelmente já viu ou ouviu falar do Sticker Bomb, aquele monte de adesivos uns em cima dos outros em alguma parte específica do carro. Isso foi uma grande moda por aqui no Brasil em 2012 e tem suas origens na Europa, embora alguns mencionem que a origem se deu nas competições de Drift, nas quais os pilotos usavam os decalques para arrumar um para-choque de forma rápida e, assim, continuar na competição. 

Seja lá qual for a verdadeira origem, alguns caminhoneiros têm usado essa moda para fechar a parte interna da porta, inclusive a janela lateral; mas isso, de acordo com o Código de Trânsito Brasileiro, pode ser ilegal. 

1. Boneco Alien 

Boneco “Alien da Rodagem” tem virado febre entre os caminhoneiros 

Desde 2020, um pequeno boneco alien verde tem chamado atenção de muitos caminhoneiros: alguns até mesmo compram o boneco para deixá-lo dentro da cabine e acabam fazendo até fotos engraçadas com ele. Além do mais, há a zoeira: alguns mencionam que o grande “meme” de se ter um exemplar é por se considerarem que o caminhão é “movido por forças alienígenas”. 

O boneco, que pode ser encontrado em diversos sites de vendas, é mais conhecido como “ET caminhoneiro”. 

Menção honrosa: rebaixar o banco do motorista  

Moda que surgiu entre os caminhoneiros brasileiros chegou até a Noruega

Para fechar, temos que citar a moda de rebaixar o banco do motorista. Um banco de caminhão, ao contrário de carro – até mesmo dos melhores modelos de luxo no mercado -, tem duas bases: uma em metal, fixa, e outra que funciona a ar. Sendo assim, quando você se senta no banco, ele abaixa, calcula o seu peso e enche a bolsa de ar para uma altura confortável, mas é claro que ainda cabem algumas regulagens. 

Porém, alguns caminhoneiros resolvem rebaixar o banco, o que tira a ergonomia ao dirigir e ainda diminui a visão da estrada. Essa moda brasileira chegou até mesmo à Noruega, onde o governo criou um alerta. 

Finalmente, o Código de Trânsito Brasileiro perdeu uma aberração: Boris Feldman explica! 

Fonte: Autopapo

Compartilhe