Coronavírus avança mais rápido no interior e já afeta todas as cidades de SP com mais de 70 mil habitantes
Teste de coronavírus em São José dos Campos, no interior de SP
Compartilhe

Crescimento dos casos em cidades com menos de 10 mil habitantes, que muitas vezes não têm leitos hospitalares, preocupa secretários municipais. 25% dos municípios deste porte têm casos confirmados em SP.

A velocidade com que a pandemia de coronavírus se espalha para o interior de São Paulo está preocupando secretários municipais da saúde. Todos os municípios com mais de 70 mil habitantesdo estado játêm casos confirmados da doença, anunciou o governo nesta terça-feira (12). Além disso, 25% das cidades com menos de 10 mil habitantes de São Paulo já registraram ao menos um caso de Covid-19, segundo Geraldo Reple, presidente do conselho de secretários municipais da saúde.

“Normalmente, um município com menos de 10 mil habitantes não tem um leito hospitalar. E hoje nós temos casos em 25% desses municípios com menos de 10 mil habitantes. Esse é um dado extremamente preocupante. Como nós estamos vendo, a doença está indo para o interior”, disse Reple em coletiva de imprensa no Palácio dos Bandeirantes.

A propagação do coronavírus está crescendo quatro vezes mais rapidamente nas cidades do interior e do litoral do que na Grande São Paulo, segundo anunciou o governo estadual na última quinta-feira (7). O governo projeta que, até o final de maio, todas as 645 cidades do estado terão casos confirmados da doença.

Segundo o secretário de Desenvolvimento Regional de São Paulo, Marco Vinholi, todas as cidades com população acima de 70 mil habitantes já têm registro de coronavírus. “Esse número também tem avançado pra cidades menores de 70 mil habitantes, que compõe os quase 200 municípios que ainda não tem casos de coronavírus”, completou Vinholi.

Geraldo Reple, que coordenada a ação dos secretários municipais, afirma que praticamente todos os municípios de São Paulo têm planos para combater o coronavírus. Apesar disso, cidades menores estão preocupadas porque não têm facilidade para negociar a compra de equipamentos de proteção individual, por exemplo.

“Todo mundo fala que o estado de São Paulo é um estado rico, mas nós temos essa realidade de um grande número de municípios com uma população bastante pequena e a doença está chegando”, disse Reple.

Ele lembra que cerca de 80% dos municípios do estado têm menos de 20 mil habitantes.

“Imagina se um município grande como o nosso aqui da capital você tem dificuldade tendo que comprar a mesma máscara, a mesma luva, o mesmo gorro, os mesmos óculos, lá num município desse tamanho [menor], qual é o poder de negociação desse município?”, questiona Reple.

Propagação 4 vezes mais rápida

Um estudo da Secretaria Estadual de Desenvolvimento Regional mostra que, a cada três dias, 38 cidades paulistas confirmam casos de Covid-19 pela primeira vez. O titular da secretaria, Marco Vinholi, disse que a doença está se espalhando muito mais rapidamente fora da capital, o que coloca em alerta as cidades do interior e litoral.

“É possível concluir que o crescimento no interior do estado de São Paulo tem se dado de forma muito acelerada ao longo do último período recente. Nesse momento que a gente passa, com essa grande aceleração no país como um todo, São Paulo cresce ainda, a região metropolitana de São Paulo, mas cresce quatro vezes mais, proporcionalmente, a propagação no interior do estado”, disse Vinholi.

Caso esse ritmo de propagação se mantenha, a doença deve chegar em todos os municípios do estado até o final deste mês, segundo o secretário.

“Se seguir por esse caminho ao longo do mês de maio significa que todos os municípios do estado de São Paulo terão o contágio do vírus até o final de maio. Nós estamos verificando uma aceleração nesse processo, ao mesmo tempo que as taxas de isolamento caíram no interior do estado, foram de 52% para 47%, em média, ao longo desses últimos 15 dias”, disse Vinholi em coletiva de imprensa no Palácio dos Bandeirantes.

Também presente na coletiva de imprensa, o diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, destacou a taxa de infecção de novas cidades no estado.

“Em março, eram sete novas cidades a cada três dias, abril, foi para 25 novas cidades a cada três dias, maio são 38 cidades a cada três dias. Há 50 dias eram 10 cidades [afetadas pelo coronavírus], atualmente, são 371 cidades”, disse o diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas.

“Não existe nenhuma região protegida neste momento, a onda epidêmica está se distribuindo por todos os municípios do estado”, completou.

Mortes por Covid-19 em SP

O número de morte pelo novo coronavírus no estado de São Paulo subiu para 3.949 nesta terça-feira (12), segundo a Secretaria Estadual de Saúde. Foram 206 novas mortes registradas em 24 horas. No total, já são 47.711 casos confirmados da doença no estado.

O número de mortes registrado nesta terça no estado representa aumento de 5% em relação ao dia anterior, quando também foi confirmada a morte de uma criança de quatro anos moradora de Francisco Morato, na Grande São Paulo.

Há 9,9 mil pacientes internados com sintomas da doença no estado de São Paulo, sendo 3.818 em UTI e 6.083 em enfermaria. A taxa de ocupação dos leitos de UTI reservados para atendimento à Covid-19 é de 69,1% no estado e de 85,7% na Grande São Paulo.

Segundo o secretário estadual de Saúde, José Henrique Germann, a queda na taxa de ocupação dos leitos dos hospitais da Grande São Paulo, que era de 89,6% na segunda-feira (11), se deve à criação de novos leitos.

FONTE: G1

Compartilhe