Doria mantém comércio fechado em até 22 de abril; prefeituras devem intensificar fiscalização
Compartilhe

O governador João Doria, em coletiva da imprensa no início da tarde segunda-feira (06/04), anunciou que ampliou a quarentena até o dia 22 de abril no Estado de São Paulo. A campanha de mobilização para o distanciamento social da população segue sem alterações e foi adotada para reforçar o trabalho de combate à proliferação do avanço do coronavírus em território paulista. O decreto que prevê a continuidade das medidas entra em vigor a partir de quarta-feira (08/04), inclusive com orientação para que os municípios intensifiquem a fiscalização para evitar aglomerações.

 

A coletiva de imprensa teve a presença do infectologista David Uip, que retornou dos 14 dias de isolamento, após ter contraído a doença. Uip reassume a coordenação do Centro de Contingência do Coronavírus. A determinação seguirá como a anterior, com o fechamento do comércio e mantendo apenas os serviços essenciais, como nas áreas de Saúde e Segurança.

 

Depois de anunciar a prorrogação da quarentena, Doria enfatizou a necessidade do isolamento social, que é recomendado por autoridades de saúde e órgãos técnicos, além de médicos e cientistas. Ele disse que tomou a decisão para garantir a assistência à população, mesmo com as consequências econômicas. O governador ressaltou que o momento é de “salvar vidas” e disse que depois, quando a pandemia for vencida, será momento de “salvar a economia”.

 

Doria ressaltou a responsabilidade do Estado em atender aos interesses dos pacientes e criticou aqueles que defendem a reabertura do comércio, uma ação que permitiria aglomerações que serviriam para proliferar ainda mais o covid-19. “Vocês vão enterrar as vítimas?”, questionou o governador para confrontar aqueles que pedem o fim das restrições. Doria disse ainda que as medidas são embasadas na ciência e nas técnicas para evitar a doença.

 

Doria pediu que todas as pessoas fiquem em casa, pois estarão contribuindo para salvar vidas. Ao final, o governador destacou que todas as prefeitas e prefeitos do Estado de São Paulo têm a obrigação de cumprir as determinações do governo, inclusive com o desenvolvimento de uma fiscalização mais rigorosa para evitar infrações e coibir a aglomeração de pessoas. Caso necessário, pode haver a cassação de alvarás e o acionamento da PM para coibir a concentrações em estabelecimentos e áreas públicas.

 

A coletiva também contou com a participação de cientistas que falaram sobre a importância da quarentena que já está causando a contenção da evolução da doença, possibilitando que o setor hospitalar pudesse atender todas as vítimas até o momento. Os especialistas ressaltaram a importância do aumento na adesão da população para a quarentena e da necessidade de atingir pelo menos 70% de redução na mobilidade social para que se atinja a redução da taxa de infeção do covid-19.

 

A Secretaria Estadual de Saúde de São Paulo informou no domingo (05/04) que o Estado chegou a 275 mortes relacionadas ao coronavírus. São 15 óbitos a mais que o registrado no boletim divulgado no sábado. A alta no número de mortes foi de 6% nas últimas 24 horas. Em uma semana, a secretaria contabiliza aumento de 180% no número de mortes pela doença, em comparação com o balanço do domingo (29/03), quando o número de vítimas chegava a 98 pessoas.

 

Os hospitais, clínicas, farmácias e clínicas odontológicas, públicas ou privadas, devem seguir com o funcionamento normal. As transportadoras, armazéns, serviços de transporte público, serviços de call center, petshops, bancas de jornais, táxis e aplicativos de transporte continuam funcionando com as orientações dos sanitaristas.

 

Os serviços de Segurança Pública, tanto estadual, quanto municipais, continuam funcionando normalmente. Os bancos e lotéricas também continuam abertos. As indústrias devem continuam operando, já que não têm atendimento ao público em geral. Já os bares e restaurantes devem fechar e só poderão atender por delivery. A medida também afeta as padarias de todo o estado que trabalham com refeições.

 

Devem seguir funcionando durante a quarentena:

– Hospitais, clínicas, farmácias e clínicas odontológicas;

– Transporte público;

– Transportadoras e armazéns;

– Empresas de telemarketing;

– Petshops;

– Deliverys;

– Supermercados, mercados e padarias;

– Limpeza pública;

– Postos de combustível.

 

Deverão seguir fechados:

– Bares;

– Restaurantes;

– Cafés;

– Casas noturnas;

– Shopping centers e galerias;

– Academias e centros de ginástica;

– Espaços para festas, casamentos, shows e eventos;

– Escolas públicas ou privadas.

 

*Bares, cafés e restaurantes podem manter o funcionamento em sistema de delivery e/ou drive thru.

Compartilhe

Deixe uma resposta