Jogando dinheiro fora – José Renato Nalini

Renato Nalini

          O Brasil gera menos de um por cento de sua capacidade anual de créditos de carbono. Só o reflorestamento é que abriria um novo espaço de expansão e de geração de receitas. Isso porque oitenta por cento do potencial brasileiro está na restauração florestal. Esta é que propicia projetos geradores do que são considerados créditos de alta qualidade, por terem benefícios associados, como a recuperação da biodiversidade e de impacto social para as comunidades locais.

            Projetos realmente sustentáveis e positivos receberão preços maiores para seus créditos. E a demanda pelos créditos de carbono vai explodir. É que a descarbonização se torna um assunto de urgência urgentíssima.

            O mercado de crédito voluntário já está acelerado. Uma lástima que o governo demore tanto para a regulamentação do mercado de créditos de carbono oficial. No mundo civilizado, os executivos são remunerados por bônus atrelados a emissões de gás carbônico. Por isso é que a inteligência natural empresarial está cuidando do assunto com carinho. Enquanto o Estado brasileiro não atua, o mercado internacional se agita e carreia os trilhões de dólares à espera de um mercado eficiente e confiável.

            O agronegócio inteligente – e ele existe – precisa integrar lavoura, pecuária e floresta. Juntos, poderão trazer rendimentos muito superiores às expectativas. Tudo ainda esbarra na regularização fundiária, que é uma tragédia na Amazônia e que permite a apropriação de terras públicas, portanto de propriedade de todos os brasileiros, pelos grileiros, dendroclastas e a “nata” da criminalidade internacional.

            O governo brasileiro está a perder um tempo incrível ao deixar de convocar o Registro Imobiliário para liderar essa verdadeira cruzada que é a regularização fundiária. Com o Serviço Eletrônico de Registros Públicos – SERP, abre-se oportunidade de o Brasil recuperar o tempo perdido e deixar de jogar dinheiro fora, como está a fazer hoje.

            As futuras gerações, se é que vierem a existir, serão muito severas com a leniência, omissão e até negligência dolosa do governo em cumprir um sofisticado ordenamento, mas que só existe para o discurso e não para a observância.

*José Renato Nalini é Reitor da UNIREGISTRAL, docente da Pós-graduação da UNINOVE e Secretário-Geral da ACADEMIA PAULISTA DE LETRAS.   

Compartilhe

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

destaques da edição impressa

colunistas

Cláudio Pissolito

QUAL O MELHOR PRESENTE PARA PALMITAL NO ANIVERSÁRIO DE 103 ANOS?

Esta votação foi encerrada (since 7 meses).

VOTE NA ENQUETE ABAIXO - ESCOLHA APENAS UMA OPÇÃO

Melhoria na Saúde
35.06%
Melhoria na Segurança
14.34%
Melhoria no Horto Florestal
13.15%
Melhoria do Povo
11.95%
Melhoria na Educação
8.76%
Melhoria nas Estradas Rurais
6.77%
Melhoria na Arborização
3.98%
Melhoria na habitação
3.98%
Melhoria na Assistência Social
1.99%

Foto do Leitor

Envie sua Imagem de fato positivo ou negativo

HORÁRIOS DE ÔNIBUS

Clique na Imagem e Acesse os Horários

TV JC

Temas

Renato Nalini
Don`t copy text!

Entrar

Cadastrar

Redefinir senha

Digite o seu nome de usuário ou endereço de e-mail, você receberá um link para criar uma nova senha por e-mail.