Jovem troca tiros com a PM e morre baleado após perseguição
Compartilhe

Segundo boletim de ocorrência, rapaz foi atingido quando tentou fugir a pé por um matagal após ser perseguido por seis quadras no Jardim Marília, em Bauru.

Um jovem de 24 anos morreu baleado durante uma intervenção policial na madrugada desta quinta-feira (3) em Bauru (SP). Segundo o boletim de ocorrência, ele foi atingido quando tentou fugir a pé por um matagal durante a perseguição e chegou a disparar contra os policiais.

De acordo com levantamento, ao menos 3.148 pessoas foram mortas por policiais no primeiro semestre deste ano em todo o país. O número é 7% mais alto que o registrado no mesmo período do ano passado, quando foram contabilizadas 2.934 mortes.

De acordo com o registro policial, a Polícia Militar fazia patrulhamento de rotina no Jardim Marília, em Bauru, quando o motorista acelerou ao notar a presença da viatura.

A equipe começou a acompanhar o veículo para que encostasse, mas os homens não obedeceram ao sinal de parada e fugiram em alta velocidade por cerca de seis quadras, informou a polícia.

Em um determinado momento da perseguição, os policiais informaram que o motorista saltou do carro e fugiu a pé por um matagal às margens da Avenida Nações Norte. Ele foi seguido por dois PMs enquanto um terceiro abordou o passageiro do veículo.

Na fuga a pé, segundo a polícia, o jovem efetuou quatro disparos contra os policiais, que revidaram e o atingiram. O Samu foi acionado e constatou a morte do rapaz.

O passageiro do carro informou à polícia que era dono do veículo e que se encontrou com o amigo em um bar. Embriagado, ele relatou aos policiais que deixou o colega dirigir. No entanto, o jovem confessou para ele que era procurado pela polícia e decidiu fugir ao avistar a viatura, segundo o BO.

O local da ocorrência foi preservado e a perícia técnica foi acionada. As armas dos policiais e do suspeito foram recolhidas e o corpo passou por exame necroscópico. Além disso, o carro foi recolhido administrativamente por falta de licenciamento.

FONTE: G1

Compartilhe