Compartilhe

A juíza Lucillana Lua Roos de Oliveira, da 1ª Vara da Comarca de Palmital, confirmou a previsão de que a partir de junho devem ser iniciados os pagamentos de indenizações aos ex-funcionários da Usina Pau D’Alho, que encerrou suas atividades em 2012 no município de Ibirarema e teve a falência decretada pela Justiça no ano de 2016.

A informação foi dada durante encontro com advogados e representante dos trabalhadores na tarde de quinta-feira (27/01).

A reunião no Fórum de Palmital teve a presença dos advogados Renata Pereira da Silva, que representa o Sindicato dos Químicos de Marília e Região, e Teodoro de Filippo, do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Palmital, além dos ex-funcionários Adenilson Batista e Roberto Camilo. Também esteve na sede do Judiciário da Comarca Agnaldo Aranha, que é vice-presidente da entidade sindical mariliense.

A magistrada assumiu o processo de falência da Pau D’Alho e confirmou que dará continuidade ao trabalho realizado pela juíza Larissa Kruger Vatzco, que deixou a Comarca no final do ano passado e havia feito um saneamento no processo, que incluiu a substituição do administrador judicial e a correção de erros que estavam atrasando o pagamento das indenizações aos ex-trabalhadores da usina. 

A advogada Renata da Silva disse que a juíza transmitiu confiança aos participantes da reunião, possibilitando expectativa de um desfecho positivo para os trabalhadores em breve. A estimativa é de que haja até R$ 14 milhões disponíveis para a indenização dos ex-funcionários.

A advogada revelou que, conforme informações da juíza, será mantido o acordo anterior, com a liberação de até 15 salários-mínimos (R$ 18,1 mil) por trabalhador na fase inicial. Posteriormente, caso sobrem recursos, haverá novo rateio.

Renata destacou ainda que os ex-funcionários devem procurar seus representantes para apresentar documentos e dados bancários para receber as indenizações.

Confira mais informações na versão impressa do JC

Compartilhe

Deixe um comentário