Mãe do menino afogado pelo pai diz que garoto era ‘bem tratado’ e ficou surpresa com o crime
Pai e o filho, que foi morto afogado em uma bacia com água
Compartilhe

A mãe do menino de 2 anos, morto afogado em uma bacia pelo próprio pai, prestou depoimento na polícia e disse que ficou muito surpresa com o crime. Segundo consta no inquérito, a jovem de 21 anos alegou que o menino era bem tratado pelo suspeito, também de 21 anos. Na ocasião, a mãe ressaltou: “era eu quem estava sendo perturbada por ele, não a criança”.

 

“O depoimento da mãe, assim como da avó da criança e outros foram feitos na Depac [Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário] Centro e estão bem completos. Temos também o flagrante e a confissão do pai, então o inquérito está praticamente encerrado, estamos aguardando apenas os laudos. No caso da mãe, ela ressaltou que ficou surpresa e o que nunca viu o pai tratar o menino mal, tanto que eles tinham um acordo e ele o buscava com frequência”, afirmou ao G1 a delegada Francielle Candotti, responsável pelas investigações.

Nesse acordo, ainda conforme a delegada, o pai ficava com o menino por 2 a 3 dias e depois o devolvia para a mãe. “A vítima ficava em Aquidauana e o pai o buscava e trazia para Campo Grande. Desde a separação, a mãe disse que estava sendo perturbada”, ressaltou Candotti.

 

Algumas horas após confessar o crime e passar pela audiência de custódia, Evaldo Christyan Dias Zenteno foi encaminhado para o Instituto Penal. De acordo com a Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário (Agepen-MS), o jovem está na ala dos estupradores, pois, lá é considerado seguro. Ele fez a triagem nesta mesma ala e não há previsão para a saída de Evaldo deste local.

 

Antes da confissão, no entanto, o rapaz apresentou outras duas versões, conforme boletim de ocorrência da Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário (Depac) Centro. Ele levou o menino para a Santa Casa na quinta-feira (19/09). Para um funcionário, o jovem teria dito que sofreu um assalto e o filho teria sido sequestrado.

 

Evaldo relatou que pegou o carro emprestado para ir até uma conveniência, onde “compraria toddynho para o filho”. No entanto, ele foi roubado por dois homens de capuz, que jogaram o filho dele no córrego em uma rua na avenida Ernesto Geisel. Ainda conforme a polícia, ao ser questionado sobre a precariedade da versão, o homem mudou os fatos.

Na segunda versão, o jovem falou que teria sido traído e então cometeu o crime para fazer a ex-mulher sofrer. Desta vez, ele alegou que foi até a casa de um amigo na Vila Nhá Nhá e este segurava a criança enquanto ele a afogava. Os policiais do Grupo de Operações e Investigações (GOI) iniciaram as buscas pelos suspeitos envolvidos, quando o homem recebeu voz de prisão e foi levado para delegacia.

 

 

Pouco tempo depois quando a polícia já tinha apreendido as vestes e sapatos do menino molhado, além da bacia usada para afogá-lo, o homem mudou a versão e confessou o crime. A morte do menino foi constatada uma hora após ter dado entrada no hospital. Evaldo foi autuado em flagrante por homicídio.

 

Ainda conforme a polícia, o avô do menino, um homem de 53 anos, também está preso. Ele teria sido flagrado enquanto estuprava duas crianças de 6 e 9 anos, no município de Aquidauana, região leste do estado. O crime ocorreu no dia 23 de junho de 2017 e as investigações apontaram que ele atraía as vítimas com doces e adesivos infantis.

Fonte: G1

Compartilhe

Deixe uma resposta