Compartilhe

Para especialistas ouvidos pelo g1 pessoas com câncer, pessoas vivendo com HIV, transplantados e outros com o sistema imune fragilizado devem continuar usando máscaras e, aliado a isso, manterem o calendário vacinal atualizado. 

Pessoas circulando sem máscaras na Avenida Paulista nesta quarta (9) — Foto: Celso Tavares/g1 

Na quarta-feira (09/03), o governo de São Paulo decidiu retirar a obrigatoriedade do uso de máscaras ao ar livre em todo o estado (veja aqui qual a regra em cada capital). 

Especialistas alertam que, ao menos para alguns grupos de risco, como os imunossuprimidos, o fim do uso do equipamento de proteção é ainda menos indicado. 

No Rio de Janeiro, por exemplo, onde a máscara está liberada em qualquer lugar, esse grupo de pessoas ainda é obrigado a utilizar a máscara 100% do tempo. 

Abaixo, entenda por que os imunossuprimidos ainda precisam manter as máscaras mesmo quando não houver mais determinação. 

Quem são os imunossuprimidos? 

As pessoas com baixa imunidade são chamadas de imunossuprimidas ou imunocomprometidas. 

Não há relação direta entre pessoas com comorbidades (que tinham doenças prévias como hipertensão, diabetes e doenças cardiovasculares) e imunossuprimidos, embora as duas condições possam ocorrer em um mesmo paciente. 

O grupo dos imunossuprimidos considera, por exemplo, pessoas com câncer, pessoas vivendo com HIV, transplantados e outros com o sistema imune fragilizado, o que deixa o paciente mais suscetível a infecções. São eles: 

  • Pessoas transplantadas de órgão sólido ou de medula óssea; 
  • Pessoas com HIV e CD4 <350 células/mm3; 
  • Pessoas com doenças reumáticas imunomediadas sistêmicas em atividade e em uso de dose de prednisona ou equivalente > 10 mg/dia ou recebendo pulsoterapia com corticoide e/ou ciclofosfamida; 
  • Pessoas em uso de imunossupressores ou com imunodeficiências primárias; 
  • Pessoas com neoplasias hematológicas, como leucemias, linfomas e síndromes mielodisplásicas; 
  • Pacientes oncológicos que realizaram tratamento quimioterápico ou radioterápico nos últimos seis meses. 

“Os imunossuprimidos são todas aquelas pessoas que recebem ou receberam tratamento que mexe com o sistema imunológico, ou que têm alguma doença que deprime o sistema imunológico”, diz João Prats, infectologista da BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo. 

Por que os imunossuprimidos devem manter a máscara? 

Para esse grupo, e para as pessoas que convivem com imunossuprimidos, o especialista considera que uma preocupação maior em retirar qualquer medida preventiva adicional é de fato válida. 

“Se você tem um imunossuprimido no seu convívio íntimo, seu comportamento deve ser muito parecido com o dessa pessoa”, alerta Prats. 

O pesquisador vai além e diz que os imunossuprimidos são um grupo de atenção especial não apenas na questão do uso da máscara, mas também na questão do índice de vacinação geral da população; não vacinados podem comprometer esse grupo de risco. 

“Precisamos entender que no âmbito comunitário todo mundo tem que estar vacinado, para evitar que a doença chegue nas pessoas imunossuprimidas”, diz. 

No Brasil, o Ministério da Saúde recomenda uma dose de reforço da vacina da Covid para todos os indivíduos imunocomprometidos acima de 12 anos de idade que receberam três doses (duas doses e uma dose adicional). 

“A vacina não interrompe o ciclo de transmissão com eficiência, e, portanto, infectados assintomáticos ou com formas leves ainda transmitem, e aí está o perigo visto que a cobertura vacinal não é uniforme, nem geograficamente, e nem em todas as faixas etárias”, acrescenta Camila Romano, pesquisadora do Laboratório de Investigação Médica do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP). 

Por isso, a infectologista do Hospital Sírio-Libanês e consultora técnica do Ministério da Saúde, Carla Kobayashi, explica que, além de continuarem usando máscaras, é essencial que essas pessoas mantenham o calendário vacinal atualizado, sempre que possível (transplantados de medula óssea, por exemplo, devem esperar 6 meses depois do transplante). 

“Sempre que dentro da sua realidade, mantenha seu esquema vacinal completo para que você não tenha chances altas de uma doença mais grave ou de um quadro mais grave em relação à Covid”, alerta 

Fonte: G1 

Compartilhe

Deixe um comentário