Média de mortes por coronavírus aumenta 25% no estado de SP em relação a 14 dias
Compartilhe

O Estado de São Paulo voltou a registrar alta de mortes por coronavírus, após período em que a análise dos dados foi prejudicada por conta de problema em sistema do Ministério da Saúde.

A média diária de óbitos por Covid-19 teve alta de 25% na sexta-feira (04/12), em comparação ao valor registrado há 14 dias.

Segundo boletim do Centro de Vigilância Epidemiológica (CVE), foram contabilizadas no estado 151 novas mortes nas últimas 24 horas, elevando o total desde o início da pandemia para 42.788.

A média móvel de mortes, que leva em consideração os registros dos últimos 7 dias, é de 127 na sexta-feira. Em comparação ao valor registrado há 14 dias, a variação foi de 25%, o que para especialistas indica tendência de alta.

O estado já vinha registrando aumento no número de internações há pelo menos três semanas, mas a análise da evolução da epidemia em relação às mortes estava prejudicada por conta de um apagão de dados em sistema do Ministério da Saúde.

Entre os dias 6 e 10 de novembro, o governo estadual não divulgou as informações referentes a mortes e casos, o que fez com que as médias caíssem artificialmente. Nos dias seguintes, houve aumento artificial dos números diários por conta dos dados represados.

Na sexta, já é possível medir a evolução da pandemia em 14 dias usando valores após a normalização da divulgação.

Antes do apagão de dados, o estado vinha registrando queda e estabilidade nas mortes. Durante dez dias seguidos a média móvel diária ficou abaixo de 100. No entanto, desde o dia 26 de novembro o valor voltou a ficar acima de 100.

Na sexta, também foram registrados 8.237 novos casos confirmados de Covid-19 nas últimas 24 horas, elevando o total para 1.276.149. A média móvel de casos é de 6.080.

RETORNO À FASE AMARELA

Devido à piora da pandemia, todas as regiões do estado regrediram na quarta-feira (02/12) para a fase amarela do Plano São Paulo, que tem regras mais restritas da quarentena que a verde, na qual 76% da população se encontrava anteriormente.

Após congelar a reclassificação por período maior que estipulado, o anúncio do governador João Doria (PSDB) da ida para a fase amarela só aconteceu no dia seguinte às eleições municipais. Também houve nova mudança nos critérios de avaliação dos indicadores. Se as regras anteriores tivessem sido aplicadas, algumas como a Grande São Paulo ficariam na fase laranja, ainda mais restrita.

Hospitais públicos e privados já haviam alertado para o aumento das internações e o próprio Centro de Contingência do Coronavírus do governo chegou a recomendar anteriormente que medidas mais restritivas fossem adotadas.

Durante a coletiva de imprensa desta quinta, o governo de São Paulo também recomendou que as pessoas evitem celebrações de final de ano que reúnam mais de dez pessoas.

Fonte: G1

Compartilhe

Deixe uma resposta