Médico brasileiro comanda o 1º transplante de rim de porco para um humano, nos EUA

Equipe de hospital em Boston anuncia sucesso em cirurgia de transplante de rim de porco em humano; médico brasileiro Leonardo Riella comandou equipe — Foto: Reprodução

Cirurgia é vista como um marco para a medicina e representa um avanço para milhares de pessoas que aguardam por um transplante.

O médico brasileiro Leonardo Riella comandou o primeiro transplante de rim de um porco, geneticamente modificado, para um paciente humano vivo. A cirurgia inédita foi realizada em um hospital em Boston, nos Estados Unidos, onde o médico atua. O anúncio foi feito nesta quinta-feira (21).

Essa é a primeira vez que um transplante desse tipo foi feito em um paciente vivo. Antes, em 2021, uma equipe de Nova York havia realizado o procedimento semelhante, como parte de uma pesquisa, em uma pessoa que tinha tido morte cerebral.

A cirurgia é um marco para a medicina e representa um avanço para milhares de pessoas que aguardam por um transplante.

O paciente que recebeu o rim é um homem de 62 anos, negro, com doença renal em estágio avançado. Segundo o médico, ele está se recuperando, e os primeiros sinais são promissores.

O procedimento pode um significado especialmente importante para pacientes negros por sofrerem com índices mais altos de doença renal do que a população em geral.

Morador da cidade de Weymouth, em Massachusetts, o paciente, que se chama Richard ‘Rick’ Slayman, vive com diabetes tipo 2 e hipertensão e fazia diálise havia sete anos. Ele chegou a receber um transplante de um rim humano em 2018, mas o órgão falhou cinco anos depois e, em 2023, ele voltou a depender de diálise.

Em um comunicado divulgado pelo Massachusetts General Hospital, ele contou que aceitou ser voluntário para a cirurgia também para ajudar outras pessoas que também precisam de um transplante.

Quando sugeriram um transplante de rim de porco, explicando cuidadosamente os prós e os contras desse procedimento. Eu vi isso não apenas como uma forma de me ajudar, mas também como uma forma de dar esperança às milhares de pessoas que precisam de um transplante para sobreviver.

— Richard ‘Rick’ Slayman de Weymouth

Caso a recuperação seja total, a descoberta pode ser uma esperança para a espera angustiante pelo órgão. No Brasil, a fila de espera pelo rim é a maior entre os que aguardam por um transplante. (Leia mais abaixo)

Leonaro Riella, médico que coordenou o primeiro transplante de rim de porco em um homem vivo — Foto: Reprodução/Massachusetts General Hospital
Leonaro Riella, médico que coordenou o primeiro transplante de rim de porco em um homem vivo — Foto: Reprodução/Massachusetts General Hospital

O médico destacou a importância do procedimento a partir do rim de um porco que havia sido geneticamente editado.

“70 anos após o primeiro transplante renal e seis décadas após o advento dos medicamentos imunossupressores, estamos à beira de um avanço monumental no transplante. Só no MGH, há mais de 1.400 pacientes em lista de espera para transplante renal. Infelizmente, alguns destes pacientes morrerão ou ficarão doentes demais para serem transplantados devido ao longo tempo de espera na diálise”, disse.

Riella é presidente do Harold and Ellen Danser em transplante e professor associado de medicina e cirurgia na Harvard Medical School. Sua pesquisa está focada, justamente, na compreensão dos mecanismos de regulação imunológica e no desenvolvimento de novas terapias para promover a tolerância dos órgãos transplantados.

“Estou firmemente convencido de que o xenotransplante representa uma solução promissora para a crise de escassez de órgãos”, afirmou.

O primeiro transplante de rim no mundo foi feito em 1954 pelo médico norte-americano, Joseph Murray, morto em 2012. No Brasil, no entanto, o primeiro procedimento só aconteceu mais de uma década depois, em 1965.

Como foi feita a pesquisa?

O xenotransplante, que é a implantação do órgão do animal em humanos, vem sendo estudado há décadas. O maior desafio era a resposta do sistema imunológico, que rejeita o tecido estranho.

O rim de porco foi fornecido pela eGenesis de Cambridge, Massachusetts, de um porco doador, mas que foi geneticamente modificado.

Neste processo, foram retirados genes suínos que prejudicavam a resposta do corpo humano e forma acrescentados genes humanos. Além disso, os cientistas inativaram retrovírus endógenos suínos no doador de porcos para eliminar qualquer risco de infecção em humanos.

Espera pelo rim é a maioria na fila do transplante

A possibilidade de usar o órgão de um porco pode revolucionar a vida de milhares de pessoas que aguardam por um transplante de rim. Quem aguarda pelo órgão, depende de hemodiálise, na maior parte das vezes, diária. Além disso, tem restrição de líquidos, já que o corpo não consegue filtrar naturalmente.

O transplante de rim representa 92% da fila de espera pelo transplante no Brasil. Segundo o Ministério da Saúde, até esta quarta-feira (20) havia 42 mil pessoas na fila de espera por algum órgão. Do total, 39 mil precisam de um rim.

Fonte: G1

Compartilhe

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

destaques da edição impressa

colunistas

Cláudio Pissolito

QUAL O MELHOR PRESENTE PARA PALMITAL NO ANIVERSÁRIO DE 103 ANOS?

Esta votação foi encerrada (since 7 meses).

VOTE NA ENQUETE ABAIXO - ESCOLHA APENAS UMA OPÇÃO

Melhoria na Saúde
35.06%
Melhoria na Segurança
14.34%
Melhoria no Horto Florestal
13.15%
Melhoria do Povo
11.95%
Melhoria na Educação
8.76%
Melhoria nas Estradas Rurais
6.77%
Melhoria na Arborização
3.98%
Melhoria na habitação
3.98%
Melhoria na Assistência Social
1.99%

Foto do Leitor

Envie sua Imagem de fato positivo ou negativo

HORÁRIOS DE ÔNIBUS

Clique na Imagem e Acesse os Horários

TV JC

Temas

Don`t copy text!

Entrar

Cadastrar

Redefinir senha

Digite o seu nome de usuário ou endereço de e-mail, você receberá um link para criar uma nova senha por e-mail.