Mulher que participou de latrocínio da ex-cunhada de Roberto Carlos é presa em SP
Suspeitos de participação na morte da ex-cunhada do cantor Roberto Carlos — Foto: G1
Compartilhe

Aposentada Dalva do Rocio Braga, de 62 anos, morreu em 2017, cinco dias após ter sido esfaqueada durante uma tentativa de assalto. Mulher que participou do crime foi localizada pela Polícia Militar, na cidade de Santos

Uma mulher de 35 anos foi presa por policiais militares por estar envolvida no latrocínio da ex-cunhada do cantor Roberto Carlos. O crime ocorreu em março de 2017 e Rafaela Fernandes Augusto foi capturada neste sábado (28) em Santos, no litoral de São Paulo.

A aposentada Dalva do Rocio Braga, de 62 anos, morreu em Itanhaém (SP) cinco dias após ter sido esfaqueada durante uma tentativa de assalto. A vítima era ex-mulher de Carlos Alberto Braga, de 88 anos, um dos três irmãos do cantor Roberto Carlos.

Segundo informações da polícia na época do crime, Dalva foi encontrada por um amigo caída no quintal da própria casa. Ela estava ensanguentada, com perfurações no pescoço, no tórax e na cabeça. Ela chegou a ser socorrida com vida e deu entrada em uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Itanhaém, mas não resistiu aos ferimentos e morreu.

De acordo com a PM, na tarde desta sexta-feira (28), a equipe recebeu uma denúncia anônima pelo Centro de Operações da Polícia Militar (Copom), de que uma mulher envolvida no crime estava na Avenida Afonso Pena, próximo ao Canal 6.

Com as informações passadas e sabendo as características da suspeita, os policias realizaram patrulhamento na região. A criminosa tentou se esconder dentro de um posto de combustíveis ao avistar os policiais, mas foi localizada e presa.

Corpo da vítima foi sepultado em 2017 no Cemitério Metropolitano de São Vicente — Foto: G1

Corpo da vítima foi sepultado em 2017 no Cemitério Metropolitano de São Vicente — Foto: G1

De acordo com a PM, a mulher assumiu que era foragida pelo latrocínio contra Dalva. Os policiais a conduziram para Central de Polícia Judiciária, onde a captura foi registrada. Rafaela foi presa e encaminhada para a cadeia feminina de São Vicente.

Em março de 2017, policiais da Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Itanhaém chegaram a prender Rafaela Fernandes Augusto e Cícero Honorato da Silva. Com eles, foram encontrados objetos pessoais da vítima. De acordo com a PM, a mulher chegou a ser solta, mas um mandado de prisão foi expedido em junho de 2019 e, desde então, ela estava foragida.

Relembre o caso

Dalva foi encontrada, por um amigo, caída no quintal da própria casa em março de 2017. Ela estava ensanguentada, com perfurações no pescoço, no tórax e na cabeça. Ela chegou a ser socorrida com vida, mas morreu na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Itanhaém.

Após ser notificado da morte, Carlos Alberto Braga compareceu ao Instituto Médico Legal (IML) de Santos para fazer a liberação do corpo. Dalva foi velada durante uma hora em sua cidade de origem e, em seguida, o corpo foi liberado para o sepultamento em São Vicente, a pedido de familiares. De acordo com funcionários do local, uma única pessoa, que seria uma irmã de Dalva, participou da despedida.

FONTE: G1

Compartilhe