O vício incurável do comércio

EDITORIAL JC

Há séculos que a humanidade convive, aceita, libera, restringe ou criminaliza o comércio e o uso de drogas, que passaram a ser denominadas lícitas ou ilícitas, dependendo da época e da forma como é feito o enfrentamento das chamadas sustâncias psicoativas, naturais ou sintéticas, sempre consumidas por jovens e adultos em todos os tempos.

Data de 3,5 mil anos A.C. que os humanos buscam na natureza as plantas que servem como alimento ou para amenizar as dores, aumentar a disposição ou para entrar em êxtase, incluindo o uso até mesmo em rituais religiosos ou como elemento de cura de doenças físicas e mentais.

Sejam plantas sedativas, como a papoula e o cânhamo, ervas excitantes, como o chá e a coca, ou inebriantes e alucinógenos, como os cactos e cogumelos, todos foram e ainda são muitos usados como alimentos especiais do corpo ou do espírito.

Com a evolução da ciência farmacêutica, os princípios ativos de muitas plantas e raízes alucinógenas foram sintetizadas e potencializadas, aumentando significativamente os efeitos sobre o corpo e o cérebro dos usuários, o que quase sempre leva ao vício de difícil superação e cria as oportunidade para o comércio dos produtos de grande aceitação e procura.

“…atividade tornada ilegal movimenta grande volume de recursos entre os marginais que a monopolizam e os viciados que são marginalizados…”

A mesma maconha, o cânhamo, ou a cannabis, que até há menos de 100 anos era de uso liberado, usada como meio de relaxamento do corpo e da mente, hoje está transformada em droga ilícita e combatida como o mal do século, mesmo que não tenha sido maléfica às gerações passadas.

E o fenômeno de combate às drogas, cuja atividade tornada ilegal movimenta grande volume de recursos entre os marginais que a monopolizam e os viciados que são marginalizados, se tornou o maior programa governamental em escala global de todos os tempos, atraindo cada vez mais o interesse mercadológico.

Com investimentos absurdos no combate ao comércio e ao consumo das drogas, as vezes maiores do que em programas de saúde e de moradia, os governos tornam os produtos ilícitos cada vez mais caros e, consequentemente, muito mais atrativos para quem os comercializa.

Assim como o cigarro, considerado como droga lícita, mas igualmente prejudicial à saúde, sempre foi aceito socialmente e agora perde importância e tem o consumo reduzido apenas com as campanhas que mostram seus efeitos negativos, as drogas ilícitas deveriam ser combatidas da mesma forma para reduzir o consumo e ainda gerar receita aos governos.

CONFIRA TODO O CONTEÚDO DA VERSÃO IMPRESSA DO JORNAL DA COMARCA – Assine o JC – JORNAL DA COMARCA –     Promoção: R$ 100,00 por seis meses

Compartilhe

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

destaques da edição impressa

colunistas

Cláudio Pissolito

QUAL O MELHOR PRESENTE PARA PALMITAL NO ANIVERSÁRIO DE 103 ANOS?

Esta votação foi encerrada (since 7 meses).

VOTE NA ENQUETE ABAIXO - ESCOLHA APENAS UMA OPÇÃO

Melhoria na Saúde
35.06%
Melhoria na Segurança
14.34%
Melhoria no Horto Florestal
13.15%
Melhoria do Povo
11.95%
Melhoria na Educação
8.76%
Melhoria nas Estradas Rurais
6.77%
Melhoria na Arborização
3.98%
Melhoria na habitação
3.98%
Melhoria na Assistência Social
1.99%

Foto do Leitor

Envie sua Imagem de fato positivo ou negativo

HORÁRIOS DE ÔNIBUS

Clique na Imagem e Acesse os Horários

TV JC

Temas

EDITORIAL JC
Don`t copy text!

Entrar

Cadastrar

Redefinir senha

Digite o seu nome de usuário ou endereço de e-mail, você receberá um link para criar uma nova senha por e-mail.