Oeste Paulista evolui para a fase amarela do Plano São Paulo
Municípios do Oeste Paulista evoluíram para a fase amarela do Plano São Paulo
Compartilhe

Etapa menos restritiva permite a reabertura de bares, restaurantes e salões de beleza com 40% da capacidade, além de academias com 30% de vagas e expediente limitado a seis horas por dia.

Os 56 municípios do Oeste Paulista conseguiram evoluir para a fase amarela do Plano São Paulo nesta sexta-feira (4), conforme a atualização feita pelo governo do Estado de São Paulo.

Na atualização feita nesta sexta-feira (4), os Departamentos Regionais de Saúde (DRSs) de Marília e de Presidente Prudente, aos quais estão vinculadas as 56 cidades do Oeste Paulista, evoluíram da fase laranja para a fase amarela do Plano São Paulo.

Quando começaram as atualizações do Plano São Paulo, em 27 de maio, os municípios do DRS de Presidente Prudente estavam classificados na fase amarela. Depois, em 10 de junho, regrediram para a fase vermelha, na qual permaneceram até 10 de julho, quando subiram para a etapa laranja. Desde então, esta região continuava estagnada, sem evolução ou decréscimo, na fase laranja, até conseguir passar para a etapa amarela nesta sexta-feira (4).

Já os municípios do DRS de Marília começaram, em 27 de maio, na fase laranja. Em 19 de junho, decaíram para a fase vermelha. Em 10 de julho, subiram para a fase laranja, na qual ficaram até a atualização feita em 7 de agosto, quando evoluíram pela primeira vez para a etapa amarela. No dia 21 de agosto, voltaram a regredir para a fase laranja, na qual permaneceram até esta sexta-feira (4), quando retornaram para a etapa amarela.https://tpc.googlesyndication.com/safeframe/1-0-37/html/container.html

A fase amarela permite reabrir bares, restaurantes e salões de beleza com 40% da capacidade, além de academias com 30% de vagas e expediente limitado a seis horas por dia. A permanência por 28 dias seguidos na fase amarela também permite a reabertura, com limitações, de espaços culturais como museus, bibliotecas, cinemas, teatros e salas de espetáculos.

Já a fase laranja é mais restritiva e permite funcionamento com 20% da capacidade de público em escritórios em geral, imobiliárias, comércio de rua, shoppings e concessionárias. A abertura é restrita a quatro horas diárias, todos os dias, ou seis horas durante quatro dias e fechamento por três.

As alterações do Plano São Paulo acontecem a cada duas semanas, quando é permitido que as regiões evoluam de fase. No entanto, caso exista piora nos índices, as regiões podem regredir na semana de intervalo.

Panorama estadual

O governo paulista atualizou nesta sexta-feira (4) a classificação das regiões no Plano São Paulo de reabertura gradual das atividades econômicas e anunciou o avanço de cinco regiões e o retrocesso de uma e, com isso, 95% da população do Estado estão na fase amarela de classificação do plano, a qual permite o funcionamento de bares, restaurantes, comércio e outras atividades não essenciais.

Marília, Presidente Prudente, São João da Boa Vista, Registro e São José do Rio Preto passaram da fase laranja para a amarela. A única região que regrediu foi Ribeirão Preto, que passou da fase amarela para laranja. O Estado permanece sem nenhuma região na fase vermelha, a mais restritiva do plano de flexibilização econômica.

O governador João Doria Junior (PSDB) disse nesta sexta-feira (4) que a progressão de cinco regiões se deve à melhora no índices destes locais.

“A progressão destas regiões é uma tendência de melhora dos indicadores que temos observado no Estado como um todo e já estamos na quarta semana consecutiva de queda de óbitos, um fato inédito desde o início da pandemia. Quatro semanas consecutivas com índices de infecção em queda, índices de óbito em queda, índices de ocupação de leitos de UTI em queda”, disse o governador.

Plano São Paulo

Para começar a reabertura do Estado em 1º de junho, o governo dividiu o território de acordo com os 17 Departamentos Regionais de Saúde. A Grande São Paulo foi subdividida em outras 6 regiões, uma para a capital e outras 5 para cada grupo de cidades da Região Metropolitana. A flexibilização da quarentena é feita de modo diferente em cada uma dessas regiões.

Os critérios que baseiam a classificação das regiões são:

  • ocupação de leitos de Unidades de Terapia Intensiva (UTIs);
  • total de leitos por 100 mil habitantes;
  • variação de novas internações, em comparação com a semana anterior;
  • variação de novos casos confirmados, em comparação com a semana anterior; e
  • variação de novos óbitos confirmados, em comparação com a semana anterior.
  • Na fase verde também são considerados óbitos e casos para cada 100 mil habitantes.
  • Regiões que atingirem as fases 3 (amarela) ou 4 (verde) permanecerão nessas fases desde que tenham indicadores semanais inferiores a 40 internações por Covid-19 a cada 100 mil habitantes e 5 mortes a cada 100 mil habitantes.

Esses critérios definem em qual das cinco fases de permissão de reabertura a região se encontra:

  • Fase 1 – Vermelha: Alerta máximo
  • Fase 2 – Laranja: Controle
  • Fase 3 – Amarela: Flexibilização
  • Fase 4 – Verde: Abertura parcial
  • Fase 5 – Azul: Normal controlado

Reabertura de setores da economia:

  • Fase vermelha: Permitido o funcionamento apenas de serviços essenciais.
  • Fase laranja: Também podem reabrir imobiliárias, concessionárias, escritórios, comércio e shoppings podem reabrir, mas com restrições.
  • Fase Amarela: Também podem reabrir salões de beleza, bares, restaurantes, academias, parques e atividades culturais com público sentado podem funcionar, mas com restrições.
  • Fase verde: Também podem reabrir eventos, convenções e atividades culturais com público em pé poderão voltar a acontecer quando houver uma estabilidade de quatro semanas do estado de São Paulo na fase verde (4), também com restrições.

Abrangência

Ao Departamento Regional de Saúde de Presidente Prudente pertencem as seguintes cidades:

  • Alfredo Marcondes
  • Álvares Machado
  • Anhumas
  • Caiabu
  • Caiuá
  • Dracena
  • Emilianópolis
  • Estrela do Norte
  • Euclides da Cunha Paulista
  • Flora Rica
  • Iepê
  • Indiana
  • Irapuru
  • João Ramalho
  • Junqueirópolis
  • Marabá Paulista
  • Martinópolis
  • Mirante do Paranapanema
  • Monte Castelo
  • Nantes
  • Narandiba
  • Nova Guataporanga
  • Ouro Verde
  • Panorama
  • Paulicéia
  • Piquerobi
  • Pirapozinho
  • Presidente Bernardes
  • Presidente Epitácio
  • Presidente Prudente
  • Presidente Venceslau
  • Rancharia
  • Regente Feijó
  • Ribeirão dos Índios
  • Rosana
  • Sandovalina
  • Santa Mercedes
  • Santo Anastácio
  • Santo Expedito
  • São João do Pau D’alho
  • Taciba
  • Tarabai
  • Teodoro Sampaio
  • Tupi Paulista

Já as cidades do Oeste Paulista que pertencem ao DRS de Marília são:

  • Adamantina
  • Flórida Paulista
  • Inúbia Paulista
  • Lucélia
  • Mariápolis
  • Osvaldo Cruz
  • Pacaembu
  • Parapuã
  • Pracinha
  • Rinópolis
  • Sagres
  • Salmourão

FONTE: G1

Compartilhe