Pacto pelo bairrismo
OPINIÃO DO JC
Compartilhe

“…propor uma espécie de pacto de bairrismo, semelhante ao que se percebe em outras cidades…”

O aquecimento comercial causado pelos investimentos de empreendedores locais e também das redes varejistas tradicionais que estão apostando no potencial econômico de Palmital é uma excelente sinalização para o setor comercial, o principal gerador de emprego e renda.

Em várias ocasiões afirmamos neste espaço de opinião que, apenas nos comércios, nos prestadores de serviços e nos escritórios e escolas da Rua Manoel Leão Rego são oferecidos mais empregos do que a maioria das indústrias da cidade e que os pequenos negócios não causam desemprego em massa, pois com menos funcionários fazem poucas demissões.

Entretanto, o que se constata é que o comércio de Palmital, excetuando supermercados, farmácias e alguns prestadores de serviços, sobrevivem mais pela fidelidade dos consumidores de menor renda, que invariavelmente fazem suas compras na cidade, do que pelos mais abastados que preferem os grandes centros comerciais da região, principalmente Assis.

Se ao menos metade das compras feitas fora fosse direcionada à cidade, o setor comercial de Palmital triplicaria e geraria um enorme número de novos empregos, suficiente para iniciar o ciclo positivo da nossa economia, que já mostra sinais de crescimento.

Entretanto, para tornar esse sonho realidade, não basta analisar, dizer ou escrever, mas é preciso agir por meio de um trabalho de conscientização dos consumidores da importância de valorizar a própria cidade.

O ideal é propor uma espécie de pacto de bairrismo, semelhante ao que se percebe em outras cidades, para que todos sejam beneficiados pela melhoria da economia local, considerando que o aumento do consumo gera mais empregos, que por sua vez gera mais renda, que retorna com mais consumo e aumento da população que necessita de mais produtos e serviços em todas as áreas.

O chamado circulo virtuoso da economia pode ser alcançado com certa facilidade, pois depende apenas da boa vontade de comerciantes e consumidores, de todas as classes sociais, de compreender que, com mais emprego e mais população, outros serviços também terão mais demanda, incluindo advogados, médicos, psicólogos, fisioterapeutas e todas as profissões comuns entre aqueles de maior renda.

Assim, os jovens formados em universidades da região poderão se estabelecer e prestar serviços na própria cidade e usufruir das relações familiares e de amizade construídas ao longo do tempo graças a um simples pacto pelo bairrismo.

Compartilhe