Polícia de Ourinhos prende PM aposentado suspeito de matar casal a tiros e alterar cena do crime
Compartilhe

A Polícia Civil de Ourinhos (SP) anunciou na quinta-feira (23/07) a prisão do policial militar aposentado suspeito de matar no último sábado (18/07) um casal após discussão em durante um churrasco em uma chácara na cidade. Ele foi localizado e preso em uma chácara na cidade de Atibaia (SP).

 

O ex-PM, que também é investigado pela suspeita de ter alterado a cena do crime, chegou a ser preso ainda no sábado e levado para o presídio militar Romão Gomes, na capital. No domingo (19/07), a Justiça entendeu que não havia motivos para converter a prisão em flagrante em preventiva e concedeu liberdade provisória ao PM da reserva.

 

Segundo o delegado seccional de Ourinhos, Antônio José Fernandes Vieira, o Ministério Público de Ourinhos, ao saber da libertação, pediu a reconsideração da decisão tomada no plantão judiciário que soltou o ex-PM e a Justiça decretou sua prisão preventiva.

 

O mandado de prisão preventiva foi cumprido por policiais civis de Bragança Paulista numa chácara em Atibaia. A prisão foi efetuada após investigadores de Ourinhos descobrirem a localização do suspeito.

 

Segundo o delegado, o ex-PM era considerado foragido, uma vez que não poderia ter se ausentado dos endereços em Ourinhos e Marília que forneceu à policia. Ele estava na chácara de um irmão, um oficial da PM, também da reserva.

 

Ele foi levado novamente para o presídio Romão Gomes e poderá ser apresentado na delegacia de Ourinhos quando houver necessidade no andamento do inquérito. A reportagem não conseguiu contato com a defesa do PM da reserva.

 

INVESTIGAÇÃO

A Polícia Civil de Ourinhos investiga o relato de legítima defesa do ex-PM e possíveis modificações na cena do crime.

 

O suspeito, de 55 anos, apresentou-se no quartel da Polícia Militar na madrugada de sábado (18/07), alegando que havia matado o pedreiro de 40 anos, contratado para fazer reparos na chácara dele, e a companheira do trabalhador.

 

De acordo com o relato do suspeito à polícia, ele e as vítimas estavam em um churrasco na casa do sobrinho quando se envolveram em uma discussão. O PM aposentado disse que foi ameaçado pelas vítimas com facas e, após entrar em luta com eles, disparou contra os dois, que morreram no local.

 

Segundo o boletim de ocorrência, quando o suspeito apresentou-se à polícia, ele levou fotos do local do crime. De acordo com o registro policial, nas imagens, era possível ver o corpo da mulher de bruços, com a cabeça apoiada no travesseiro, e coberto. Ao seu lado no colchão, estava uma faca.

 

Depois do relato, o PM acompanhou a equipe policial até a chácara onde ocorreu o crime. No registro policial consta que o homem estava de bruços, com as pernas parcialmente fora do colchão, braço direito estendido, com uma faca encostada na palma da mão direita.

 

Já a mulher estava em posição diferente da foto apresentada pelo suspeito, em posição fetal, com as costas apoiadas na parede, segundo o boletim de ocorrência. A faca que na foto estava ao lado da mulher no colchão estava entre o corpo dela e a parede.

 

A perícia técnica esteve no local e constatou manchas de sangue e uma pequena faca de cozinha cravada no colchão do casal. Além disso, de acordo com o BO, apesar da aglomeração de objetos e sacos de roupas no quarto, não havia sinais de luta em outras partes da casa.

 

A polícia informou ainda que talheres velhos achados na pia da cozinha, em mau estado de conservação, chamaram a atenção da equipe. Isso porque as facas encontradas com as vítimas pareciam pouco usadas e adquiridas para uma coleção, segundo a polícia.

 

Segundo o registro policial, o médico legista informou que o PM aposentado não apresentou lesões corporais visíveis que comprovem a luta relatada por ele.

 

As cápsulas e a arma de fogo do PM foram apreendidas. Segundo a polícia, a arma apresenta registro regular na Polícia Militar.

Fonte: G1

Compartilhe

Deixe uma resposta