Polícia prende suspeito de matar companheiro da ex-mulher com tiro no rosto
Suspeito foi preso com uma garrucha calibre 32; ele disse à PM que usou essa arma para matar o açougueiro
Compartilhe

Homem estava em um bar no bairro Jardim Frei Aurélio, armado com uma garrucha. Ele admitiu à PM que usou a arma para matar açougueiro de 41 anos.

A Polícia Militar prendeu na tarde desta segunda-feira (3) o homem acusado de assassinar o açougueiro Carlos Leandro Perez, de 41 anos, morto com o um tiro na noite deste domingo (2), no Jardim Monte Verde, em Garça (SP).

O suspeito foi encontrado pelos policiais militares após denúncia anônima de que o autor do assassinato estaria com uma motocicleta na região do Jardim Frei Aurélio. Os policiais localizaram o veículo em frente a um bar.

No estabelecimento, os policiais encontraram o suspeito, que não resistiu à prisão. Com ele foi encontrada uma garrucha calibre 32 no bolso de sua bermuda, com duas balas intactas.

Segundo a PM, o suspeito teria confessado o crime e também que aquela arma teria sido usada para matar o açougueiro.

O suspeito é o ex-marido da atual companheira do açougueiro. O crime aconteceu por volta das 21h30 de domingo na garagem de uma casa na Rua Domingos Marangão.

No dia do crime, a mulher contou à polícia que o ex-marido chegou na residência transtornado e a ameaçou dizendo que já havia matado o companheiro dela e que também iria matá-la.

Ao sair de casa, a mulher contou aos policias que encontrou Carlos Leandro Perez ferido na garagem. Segundo o relato à PM, o ex-marido ainda tentou segui-la, mas foi contido por uma terceira pessoa e fugiu.

Carlos Leandro Perez, de 41 anos, foi atingido por um tiro no rosto. Ele chegou a ser socorrido pelos bombeiros até a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Garça, mas não resistiu aos ferimentos e morreu.

Ele recebeu voz de prisão por homicídio e porte ilegal de arma de fogo e foi levado para a delegacia de Polícia Civil de Garça e depois transferido para a Central de Polícia Judiciária (CPJ) de Marília, onde ficou à disposição da Justiça.

FONTE: G1

Compartilhe