Por que 536 foi o pior ano da história para se estar vivo

Imagens: Climatologia Climática

O ano de 536 ganhou um título notório do historiador medieval Michael McCormick: o pior ano para estar vivo. Não foi um período marcado por uma única calamidade, como a Peste Negra ou uma pandemia mortal. Em vez disso, 536 foi o prelúdio de uma série de eventos catastróficos que remodelaram a história.

Naquele ano, uma névoa misteriosa envolveu a Europa, o Oriente Médio e partes da Ásia. Não era uma névoa comum que se dissipa após uma manhã; persistiu dia e noite por 18 longos meses. O historiador bizantino Procopius registrou esse fenômeno sinistro, observando que o sol brilhava fracamente, semelhante à lua, por um ano inteiro. Essa estranha escuridão teve um efeito assustador, literalmente, pois as temperaturas caíram de 1,5°C a 2,5°C. Esse frio repentino não foi apenas um assunto europeu; alcançou até a China, onde a neve no verão era uma visão desconcertante. Como era de se esperar, as colheitas falharam, levando à fome generalizada. Crônicas irlandesas registram sombriamente uma “falha do pão” durante 536-539.

Por que 536 foi o pior ano da história para se estar vivo

Justamente quando parecia que as coisas não poderiam piorar, 541 trouxe um novo horror: a peste bubônica, atingindo o porto romano de Pelusium no Egito. Conhecida como a Peste de Justiniano, ela se espalhou rapidamente, devastando uma parte significativa da população do Império Romano Oriental e acelerando seu colapso.

Historiadores e cientistas há muito ponderam sobre a causa desses tempos escuros e frios, frequentemente referidos como a Idade das Trevas. Uma descoberta veio de uma fonte inesperada – gelo de uma geleira suíça. Esse não era um gelo qualquer, mas um registro detalhado de condições atmosféricas passadas. Uma equipe liderada por McCormick e pelo glaciologista Paul Mayewski, armada com um método de análise ultra-preciso, identificou um culpado pela névoa escura de 536 – uma erupção vulcânica massiva na Islândia, ejetando cinzas pelo Hemisfério Norte. Essa descoberta foi anunciada em um workshop em Harvard, ligando o início da estagnação econômica da Europa a esta e a erupções subsequentes em 540 e 547.

Por que 536 foi o pior ano da história para se estar vivo

Essas descobertas não foram isoladas. Kyle Harper, da Universidade de Oklahoma, um historiador medieval e romano, considera essas análises de núcleos de gelo inestimáveis. Eles oferecem uma nova lente para entender o entrelaçamento de causas humanas e naturais que levaram à queda do Império Romano e aos primeiros rumores de uma nova economia medieval.

A intriga se aprofunda quando consideramos estudos de anéis de árvores dos anos 1990, sugerindo verões anormalmente frios por volta de 540. Mais pistas surgiram de núcleos de gelo polares na Groenlândia e na Antártida, revelando sinais claros de atividade vulcânica. Vulcões, quando entram em erupção, enviam substâncias como enxofre para a alta atmosfera, criando um véu de aerossol que bloqueia a luz solar e esfria o planeta. Uma equipe liderada por Michael Sigl, da Universidade de Berna, conectou os pontos, ligando quase todos os verões frios dos últimos 2500 anos a erupções vulcânicas. Duas erupções massivas, uma no final de 535 ou início de 536 e outra em 540, se destacaram, explicando a escuridão prolongada e o frio.

A Geleira Colle Gnifetti nos Alpes Suíços tornou-se um ponto focal para investigações adicionais. Um núcleo de gelo de 72 metros de comprimento, abrangendo mais de 2000 anos, foi analisado em detalhes sem precedentes. A equipe, incluindo o vulcanologista da UM Andrei Kurbatov, usou um novo método de alta resolução envolvendo um laser que corta pequenas lascas de gelo, cada uma representando um breve momento no tempo. O resultado? Um registro mês a mês, às vezes até semana a semana, de erupções vulcânicas, tempestades de poeira e atividades humanas.

Na primavera de 536, a equipe encontrou partículas microscópicas de vidro vulcânico no gelo. Esses fragmentos, após análise detalhada, correspondiam aos encontrados em lagos e pântanos europeus e em um núcleo de gelo da Groenlândia. Eles tinham uma semelhança impressionante com rochas vulcânicas da Islândia, reforçando a teoria de uma erupção islandesa responsável pela névoa de 536. No entanto, alguns especialistas, como o geocientista David Lowe, pedem mais evidências para localizar conclusivamente o local da erupção.

Os ventos e padrões climáticos de 536 desempenharam um papel crucial, guiando a pluma vulcânica pela Europa e Ásia. O próximo passo para pesquisadores como Kurbatov é encontrar mais partículas deste vulcão em lagos europeus e islandeses, desvendando ainda mais seu impacto devastador.

Avançando para um século depois, os registros de gelo começaram a sinalizar mudanças positivas. Um pico de chumbo no ar em 640 marcou uma ressurgência na mineração de prata, indicando recuperação econômica. Esse chumbo, um subproduto da fundição de prata a partir de minério de chumbo, sinalizou uma demanda crescente por metais preciosos e o nascimento de uma nova classe mercantil. Um segundo pico de chumbo em 660 destacou uma grande mudança na economia medieval – uma transição do ouro para a prata como padrão monetário.

Curiosamente, os registros de núcleos de gelo também oferecem um vislumbre de outro período sombrio: a Peste Negra de 1349-1353. A ausência de chumbo no ar durante esses anos reflete uma economia devastada pela pandemia.

Esses núcleos de gelo, portanto, não são apenas água congelada, mas arquivos da história do nosso planeta. Eles preenchem a lacuna entre a ciência ambiental e a história, oferecendo insights sobre como fenômenos naturais moldaram sociedades humanas. Esta integração de registros ambientais ultra-alta resolução com dados históricos não é apenas inovadora; é revolucionária, oferecendo uma nova dimensão ao nosso entendimento do passado. À medida que continuamos a decifrar esses registros gelados, estamos destinados a descobrir mais segredos sobre como nossos ancestrais viveram, lutaram e se adaptaram diante de calamidades naturais, moldando o curso da história humana.

Fonte: Climatologia Climática

Compartilhe

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

destaques da edição impressa

colunistas

Cláudio Pissolito

QUAL O MELHOR PRESENTE PARA PALMITAL NO ANIVERSÁRIO DE 103 ANOS?

Esta votação foi encerrada (since 5 meses).

VOTE NA ENQUETE ABAIXO - ESCOLHA APENAS UMA OPÇÃO

Melhoria na Saúde
35.06%
Melhoria na Segurança
14.34%
Melhoria no Horto Florestal
13.15%
Melhoria do Povo
11.95%
Melhoria na Educação
8.76%
Melhoria nas Estradas Rurais
6.77%
Melhoria na Arborização
3.98%
Melhoria na habitação
3.98%
Melhoria na Assistência Social
1.99%

Foto do Leitor

Envie sua Imagem de fato positivo ou negativo

HORÁRIOS DE ÔNIBUS

Clique na Imagem e Acesse os Horários

TV JC

Temas

Don`t copy text!

Entrar

Cadastrar

Redefinir senha

Digite o seu nome de usuário ou endereço de e-mail, você receberá um link para criar uma nova senha por e-mail.