Santa Casa de Misericórdia cria ala de isolamento para pacientes com coronavírus em Palmital
Compartilhe

Hospital investiu em materiais, equipamentos e treinamento de equipes para oferecer leitos ao SUS, particulares e convênios durante a pandemia

 

A Santa Casa de Misericórdia de Palmital está preparada para atender pacientes com notificação para coronavírus e oferecer plena assistência hospitalar para tratamentos de baixa e média complexidade. A entidade, que está sob a intervenção da Prefeitura desde o ano passado, investiu na montagem de uma ala de isolamento, também denominada “Coortes”, com onze leitos para atender pessoas com síndromes respiratórias graves. O projeto também incluiu aquisição de materiais, manutenção de equipamentos e treinamento de equipes de todos os setores do hospital.

 

A instituição, cujo setor de isolamento recebeu o primeiro caso suspeito em 24 de abril, conta com nove leitos para pacientes do SUS, sendo cinco clínicos, dois pediátricos e dois com sistema de respiração mecânica. A Santa Casa deverá abrir mais uma vaga para entubados após receber o respirador que está em manutenção por meio da parceria com a Energisa e o Senai. Ainda há outros dois leitos em clínica médica para pacientes particulares e de convênios.

 

Segundo a interventora administrativa Fabiana Paes, a Santa Casa criou um plano de contingência em março, quando foi informada pelo governo estadual que teria obrigação de ofertar vagas para pacientes com coronavírus. “Isolamos uma área do hospital para receber os doentes. Com isto, separamos as pessoas com síndrome respiratória aguda daquelas afetadas por outras patologias, seguindo todas as orientações das Notas Técnicas da Anvisa e os protocolos dos órgãos de saúde”, explicou.

 

A parte operacional da Santa Casa passou por adequação, com a designação de profissionais para atuarem exclusivamente no setor de isolamento, sem contato com as demais áreas do hospital ou com o ambiente externo até o final do turno. Também há um revezamento entre os técnicos de enfermagem que atendem aos pacientes na “Coortes” para evitar que, em caso de contaminação, eles sejam expostos a uma carga viral muito elevada.

 

De acordo com a interventora, houve a readequação dos trabalhos no hospital, incluindo medidas de higienização para que todos os funcionários com acesso ao setor isolamento saiam “limpos”, com banho tomado e com vestimentas de proteção descartadas. “Os profissionais da linha de frente usam proteção desde a primeira semana da quarentena. Mudamos o fluxo do Pronto-Socorro e montamos uma sala de síndrome gripal, para que não haja contato com outros pacientes no setor de emergência”, contou.

 

O hospital fornece ainda todo o todo material necessário para a proteção dos profissionais e pacientes, incluindo vestimentas, luvas, máscaras e protetores faciais, reduzindo os riscos de contaminação. “Seguimos todos os protocolos recomendados pelos órgãos de saúde e temos todas as equipes de trabalho treinadas para uma correta paramentação, garantindo segurança e bem-estar a todos os nossos colaboradores”, destacou Fabiana.

 

SEM VÍRUS – A interventora destacou que a Santa Casa ainda não registrou a circulação do coronavírus em suas dependências, pois todos os pacientes que ficaram na “Coortes” tiveram resultados de exames negativos para a doença. Fabiana enfatizou ainda que o hospital de Palmital está preparado para atender adequadamente à população e garantir efetivo tratamento aos pacientes, principalmente aos que necessitam do SUS. O sistema evita também que pessoas dispostas a internações particulares ou por meio de convênios tenham de se deslocar até outras cidades.

 

MOBILIZAÇÃO DE INVESTIMENTOS GARANTE ATENDIMENTO

A Santa Casa recebeu diversos investimentos para o enfrentamento ao coronavírus. A entidade mobilizou inicialmente recursos para a aquisição de equipamentos de proteção (R$ 50 mil), material hospitalar (R$ 30 mil) e medicamentos (R$ 20 mil). Também houve repasses federais e da Prefeitura, que destinou R$ 100 mil exclusivamente para combate ao covid-19. As ações administrativas são acompanhadas pelo prefeito José Roberto Ronqui, que fez a doação pessoal de um respirador para o hospital.

 

A Secretaria de Saúde fornece insumo e kits de testes-rápidos para a testagem de profissionais e pacientes. A entidade também recebeu diversas doações de equipamentos, insumos e de dinheiro, que foi destinado para recuperação de equipamentos e cobertura de outros custos. Há ainda uma campanha virtual para a arrecadação de dinheiro destinado à compra de respiradores e materiais para de proteção dos profissionais.

 

“Não tínhamos recursos extras quando a pandemia começou e a mobilização conjunta com a Prefeitura e a comunidade nos ajudou a preparar a Santa Casa para atender da melhor forma possível aos pacientes”, ressaltou Fabiana. A interventora explicou que há elevados custos na “Coortes”, pois envolvem tomografias, exames, médicos, fisioterapeutas e outras despesas, cujo pagamento só é feio pelo SUS caso a doença seja confirmada. “Se não for covid-19, recebemos somente por uma internação normal. Porém, é investimento para salvar vidas e, neste caso, todo esforço vale a pena”, concluiu.

 

PROFISSIONAIS CAPACITADOS

A preparação da Santa Casa para o enfrentamento ao covid-19 envolveu muitas atividades de capacitação das equipes de trabalho, incluindo médicos, enfermagem, administração, higiene e manutenção. As ações foram iniciadas em março, quando técnicos do hospital, participaram de videoconferência promovida pela Secretaria de Saúde de São Paulo para alertar sobre o início da transmissão em larga escala no Estado.

 

A programação de treinamentos, organizada pelo comitê formado na Santa Casa, contou inclusive com orientações para entubação de pacientes com síndrome respiratória que foram dadas pelo médico Paulo Mendonça. A preparação da ala de isolamento teve o auxílio do especialista em terapia intensiva Edson Tanno, do Hospital Regional de Assis, e da infectologista Débora Baraldo. Também foram realizados cursos sobre operação de equipamentos, atendimento aos doentes e utilização de equipamentos de proteção individual para reduzir os riscos de contaminação pelo covid-19.

Compartilhe

Deixe uma resposta