Sem perdão: pai que matou estuprador da filha é condenado a 18 anos de cadeia

Wanderley Rofeson Loureiro acusado de matar Roni Teodoro do Nascimento, em março de 2012, depois que o rapaz estuprou sua filha de 12 anos, foi condenado a pena de 18 anos de prisão, em regime fechado. Ele deverá usar tornozeleira eletrônica, conforme decisão de julgamento no dia 19 de setembro, em Campo Grande, no Mato Grosso do Sul.

 

Os jurados não acolheram a tese da defesa, de que o réu agiu por violenta emoção e de acordo com a sentença, pronunciada pelo juiz Carlos Alberto Garcete, Wanderley foi condenado pelo crime de homicídio qualificado pelo motivo torpe e recurso que dificultou a defesa da vítima.

 

Como respondia o processo em liberdade, Wanderley deve aguardar o tramite judicial, até o cumprimento da pena, usando tornozeleira eletrônica, conforme determinado pelo juiz. A decisão cabe recurso.

 

Ouvido no julgamento desta quinta, Wanderley disse que no dia do crime tinha ido fazer feira com a esposa e quando voltou para sua residência encontrou a filha abrindo o portão para Roni. A menina estava com semblante de choro, sendo questionada pelos pais o que havia acontecido, momento em que ela falou que tinha sido estuprada pelo rapaz.

 

“Perguntei para ele se havia feito mesmo aquilo e quando me respondeu que sim, eu perdi a cabeça”, disse Wanderley aos jurados. Após a confirmação de Roni, o homem mandou que a esposa e a filha fossem para a casa de sua sogra, sendo que depois da saída das duas ele entrou em luta com o rapaz.

 

O réu ainda contou que amarrou Roni pelos pés e mãos e colocou uma toalha na sua boca para ele não gritar o colocando dentro da camionete S-10. Ele, então, saiu sem rumo e ao chegar a um lugar isolado tirou Roni do carro. Quando viu umas pedras no chão desferiu golpes contra a cabeça da vítima, que teve o rosto desfigurado. O corpo de Roni foi encontrado dias depois em avançado estado de decomposição na MS-080.

 

“Quero ver qual pai chega em casa, ouve a filha falar que foi estuprada, sai e vai em uma delegacia registrar um BO. Qualquer um que passar por isso faria o mesmo que eu fiz”, disse Wanderley depois de contar como assassinou Roni. O réu se disse arrependido do crime afirmando que depois disso a sua vida acabou.

 

Ele confessou o crime em 2014 após a polícia reunir provas indicando ele como autor do assassinato. A vítima do abuso, que hoje está com 20 anos, teria tentado se matar meses depois de ser estuprada tomando vários remédios. Após o estupro, o comportamento da menina mudou ficando mais quieta e chorosa, segundo a mãe.

Fonte: Midia Max

Leia também no JC Online

Compartilhe

Deixe uma resposta

Fechar Menu
Não Permitido Cópia