Compartilhe

Vivemos tão preocupados com tanta coisa que, as vezes, nos esquecemos de viver. Nem nos damos conta de que corremos muito, dormimos pouco, comemos às pressas, nos irritamos facilmente, vivemos desconcentrados, reclamamos de tudo, deixamos Deus de lado, esquecemos a família, estamos sempre cansados e ausentes de casa.

Não estamos acostumados a fazer revisão de vida. Nesse caso, o privilégio é do automóvel, das máquinas, dos equipamentos de trabalho… Tudo passa por revisão, só nós que não! Não há vida que suporte a falta de revisão! Vai chegar o momento em que vamos ter que arcar com uma alta soma do que devemos à vida. É verdade que tudo tem um preço nessa vida e o custo é alto! A vida tem custo alto. Por isso, é preciso aprender a investir, corretamente: o tempo, as energias, as forças, os bens, o coração, os talentos… tudo… na medida certa.

A vida é uma luta contínua (Ef 6,10-18; 2Cor 1,1-7)

Existem muitas explicações para a vida. Uma das explicações mais comuns é que a vida é uma luta contínua. Seja você um estudante, seja um chefe de família, seja um trabalhador, ou um aposentado. A vida é uma luta contínua.

O problema é que muitos olham de longe, muitos começam e para no meio do caminho, outros só criticam, alguns escoram. A vida não poupa ninguém! Quem não luta não só não vence, como também, vive frustrado e frustra os outros. Ora, se a vida é uma luta, lute!

Não se deixe levar pelo cansaço (Ecle 9,7-12; 2Cor 1,18-22)

É inegável que tudo tem prazo, que a sobrevivência urge trabalho, que nada cai do céu, que tudo ocupa tempo. Mas, se aceitamos as regras do jogo, não podemos reclamar do cansaço. Descanso é sagrado e, cada um deve cuidar disso. Não podemos viver como máquina! Não há porque reclamar de cansaço porque podemos fazer escolhas e determinar o ritmo. Mas é preciso ter coragem de admitir perdas e fazer renúncias.

Se é para tomar atitude, que seja atitude correta (Hb 2,4-16; 2Cor 3,4-11)

Não dá para não tomar atitude na vida! Querendo ou não, temos que nos posicionar diante de tudo. O fato é que toda atitude tem consequências e nos envolve em suas teias. Ora, não podemos viver, o tempo todo, tentando tapar os buracos dos nossos atos inconsequentes. Para que acumular brasa sobre a própria cabeça? Atitude é muito mais do que agir; é pôr a própria vida no que se faz. E o impulso não dá conta disso. Quem age por impulso não tem atitude. Não age corretamente quem é levado pelo instinto.

Deixa Deus usar você. (Eclo 2,1-9; 2Cor 3,15-18; 4,1.3-6)

Quem somos nós diante de Deus? O que Deus poderia precisar de nós? Pra dizer a verdade, não somos nada, mas Deus nos fez seus filhos (sua imagem e semelhança) e destinatários da Salvação. Por que, então, não ligarmos a Deus tudo o que somos, queremos, fazemos e podemos? Assim chegará o momento em que você vai fazer perguntas a respeito de sua vida e verá que, em tudo, tem uma força maior que age e, saberá que o Deus que age em você, também age por você.

Encare os problemas como desafio (Eclo 18,19-33; 2Cor 4,7-15)

Não é difícil constatar que todos os dias e em todos os lugares encontramos dificuldades que nos parecem insuportáveis. É verdade: são muitas as dificuldades; são muitos os problemas. Se é assim, por que não transforma as dificuldades e os problemas em desafios? Você vai render muito mais! A vida vai ser muito mais interessante. Porque, sendo os problemas e as dificuldades, desafio, a vida será, também, desafio e, encontrará o sentido que lhe é próprio.

Compartilhe

Deixe uma resposta