A Excelência e a subserviência

EDITORIAL JC

Uma medida arbitrária adotada por uma juíza do trabalho de Santa Catarina, de anular o depoimento de uma testemunha que não cumpriu a regra que ela impôs na audiência, para que o depoente dissesse “o que a Sra. deseja, Excelência?”, suscitou o retorno de um debate antigo sobre a forma de tratamento às chamadas “autoridades”, meros funcionários públicos graduados e devidamente remunerados pela sociedade que atendem.

Caso semelhante, ocorrido em 2014, que chegou ao STF como pedido de um juiz que desejava ser chamado “senhor” ou “doutor” no condomínio onde residia, felizmente deu ganho de causa aos moradores.

As formas de tratamento diferenciadas, criadas pelos grupos dominantes, mostram de maneira explícita a hierarquização das sociedades e a posição de fala de cada casta diante da outra, sempre impondo a condição de poder, de domínio e de saber sobre os menos aquinhoados e não letrados.

E, quando o poder econômico também chegou aos aventureiros, aos desbravadores e posseiros rústicos e analfabetos, surgiram os coronéis e os capitães, em títulos oficiais concedidos ou informais, sempre pela imposição da condição social e do poder político exercido pela liderança alcançada.

“…as formas de tratamento diferenciadas e reverenciadoras são mantidas…”

A escolarização das classes médias a partir de meados do século 20 elevou outras categorias à condição econômica e acadêmica superiores, como médicos, advogados, engenheiros e, principalmente, agrônomos e veterinários que atendiam os pequenos agricultores, os meeiros e arrendatários que dependiam dos órgãos oficiais.

Como forma de reverência, e até de subserviência, o título de doutor, ainda exclusivo aos que completam programas acadêmicos de doutorado em suas áreas de especialidade, também passou a ser usado como prefixo aos nomes destes profissionais com atuação direta junto à sociedade.

Mesmo diante da evolução nas formas de organização social, de mais participação popular e liberdade nas decisões políticas e da chegada de classes inferiores economicamente às universidades, as formas de tratamento diferenciadas e reverenciadoras são mantidas como diferenciação do lugar social de cada indivíduo.

Em última análise, a forma de tratamento é uma maneira cordial e respeitosa de manter a civilidade e a harmonia nas relações e nos embates nas instituições, mas também é meio de imposição hierárquica de autoridades despreparadas para entender a dinâmica social e, consequentemente, exercer com dignidade o cargo que ocupam.

CONFIRA TODO O CONTEÚDO DA VERSÃO IMPRESSA DO JORNAL DA COMARCA – Assine o JC – JORNAL DA COMARCA –     Promoção: R$ 90,00 por seis meses 

Compartilhe

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

destaques da edição impressa

colunistas

Cláudio Pissolito

QUAL O MELHOR PRESENTE PARA PALMITAL NO ANIVERSÁRIO DE 103 ANOS?

Esta votação foi encerrada (since 5 meses).

VOTE NA ENQUETE ABAIXO - ESCOLHA APENAS UMA OPÇÃO

Melhoria na Saúde
35.06%
Melhoria na Segurança
14.34%
Melhoria no Horto Florestal
13.15%
Melhoria do Povo
11.95%
Melhoria na Educação
8.76%
Melhoria nas Estradas Rurais
6.77%
Melhoria na Arborização
3.98%
Melhoria na habitação
3.98%
Melhoria na Assistência Social
1.99%

Foto do Leitor

Envie sua Imagem de fato positivo ou negativo

HORÁRIOS DE ÔNIBUS

Clique na Imagem e Acesse os Horários

TV JC

Temas

EDITORIAL JC
Don`t copy text!

Entrar

Cadastrar

Redefinir senha

Digite o seu nome de usuário ou endereço de e-mail, você receberá um link para criar uma nova senha por e-mail.