Após um ano, mãe de estudante que morreu atingida por caminhonete na contramão espera por justiça: ‘Dor é imensurável’

Catarina Mercadante, de 22 anos, morreu em acidente na SP-333, no dia 29 de janeiro de 2023 — Foto: Arquivo Pessoal

Carro conduzido por Catarina Mercadante, de 22 anos, foi atingido de frente por caminhonete na SP-333, em Echaporã (SP), no dia 29 de janeiro de 2023. Motorista chegou a ser preso preventivamente, mas foi liberado após recurso ao STJ e aguarda julgamento em liberdade.

A mãe da estudante que morreu após ser atingida por uma caminhonete na contramão, na Rodovia Rachid Rayes (SP-333), em Echaporã (SP), diz buscar forças todos os dias para lidar com o luto pela morte prematura da filha.

Um ano depois do acidente, registrado no dia 29 de janeiro de 2023, Mana Mercadante, de 49 anos, ainda tem dificuldades para aceitar que a filha Catarina Torres Mercadante Leite do Canto, que tinha 22 anos, se foi tão cedo.

“Foi um ano muito difícil, doloroso e com sentimentos bagunçados. A dor é imensurável! Para se ter uma ideia, é um coração em carne viva, e não tem remédio. A minha alma sangra todos os dias”, desabafa.

O carro conduzido por Catarina Mercadante foi atingido de frente por uma caminhonete que tinha como motorista Luís Paulo Machado de Almeida, na época com 21 anos. Ele responde por homicídio e irá a júri popular. O julgamento ainda não tem data para acontecer.

Carro em que Catarina Mercadante estava ficou destruído após batida em Echaporã (SP) — Foto: Arquivo pessoal
Carro em que Catarina Mercadante estava ficou destruído após batida em Echaporã (SP) — Foto: Arquivo pessoal

À época do acidente, o jovem disse em depoimento que cochilou ao volante e invadiu a pista contrária, provocando a colisão, conforme registro policial.

O motorista da caminhonete viajava na companhia de um funcionário e relatou que estava cansado no momento do acidente, pois seguiu direto, sem paradas, de Guará (SP) com destino a Londrina (PR). Ele testou negativo para a ingestão de bebida alcóolica.

No entanto, um vídeo mostrou a caminhonete realizando uma ultrapassagem proibida antes de bater de frente com o carro da jovem.

A testemunha que fez o registro e disse ter visto o acidente contou à polícia que o condutor da caminhonete seguia em alta velocidade e fazia ultrapassagens em trechos proibidos. Inclusive, o carro dele foi ultrapassado ilegalmente, conforme relatou à polícia.

Para mãe de Catarina, “lutar por justiça” enquanto tenta também compreender a dimensão do adeus à filha é uma das piores sensações de sua vida.

“Ver a vida dela tirada por uma irresponsabilidade me machuca todos os dias. A falta de compaixão pela vida alheia, pela família enlutada, tudo isso deixa o luto mais difícil. O amor de Deus tem nos mantido em pé. A fé me dá esperança para eu continuar e lutar pela vida”, pontua.

“Antes de tudo tinha medo de morrer, hoje depois de passar pela maior dor do mundo, quero viver para honrar minha filha e lutar para que outras famílias não sejam dilaceradas como a minha”, sentencia.

Catarina Mercadante estava no 4º ano de medicina, na Unimar em Marília (SP) — Foto: Arquivo Pessoal
Catarina Mercadante estava no 4º ano de medicina, na Unimar em Marília (SP) — Foto: Arquivo Pessoal

Sonhos interrompidos

Catarina Mercadante estava no 4º ano do curso de medicina e, segundo a mãe, era “dedicada nos estudos e muito responsável”. Filha do meio entre três irmãos, a mãe afirma que dói pensar no que Catarina ainda poderia conquistar em vida.

“Ela tinha um sonho de ser médica, cuidar do outro fazia parte do cotidiano dela. O ‘não poder acontecer mais’. Eu nunca vou ver minha filha se formando, casando, me dando netos, com certeza, uma parte de mim foi junto com ela”, diz.

Catarina Mercadante era filha do meio entre três irmãos — Foto: Arquivo Pessoal
Catarina Mercadante era filha do meio entre três irmãos — Foto: Arquivo Pessoal

A mãe de Catarina conta ainda que a filha sempre foi muito próxima à família e que o último encontro entre as duas foi justamente uma despedida. Ela ficaria cerca de três semanas sem encontrá-la.

“A ‘Cati’ era uma menina especial, doce, alegre. Nos falávamos todos os dias, pelo menos duas vezes ao dia, rezávamos juntas, éramos muito ligadas. No dia do acidente, passamos o dia inteiro arrumando as malas, eu terminando de preparar as marmitinhas para o período que ela ia ficar longe”, revela.

No sábado (27), os familiares de Catarina realizaram uma missa em homenagem à jovem, na igreja Vila Xavier, em Assis (SP). Na ocasião, Mana leu uma carta que escreveu para a filha (veja a carta na íntegra ao final da reportagem).

Família de Catarina Mercadante realizou missa em homenagem à jovem em igreja de Assis — Foto: Arquivo Pessoal
Família de Catarina Mercadante realizou missa em homenagem à jovem em igreja de Assis — Foto: Arquivo Pessoal

Investigações e julgamento

Em decisão assinada pelo juiz Adugar Quirino do Nascimento Souza Junior, no dia 25 de maio do ano passado, Luís Paulo Machado de Almeida, acusado de provocar o acidente, vai a júri popular. Porém, a data do julgamento ainda não foi divulgada.

A audiência de instrução, debate e julgamento do motorista foi realizada na 1ª Vara Criminal de Assis (SP) no dia 17 de maio de 2023. Luís Paulo foi indiciado por homicídio envolvendo duas qualificadoras.

Luís Paulo Machado de Almeida (direita) e seu advogado em audiência — Foto: Reprodução
Luís Paulo Machado de Almeida (direita) e seu advogado em audiência — Foto: Reprodução

Uma delas por comportamento que possa resultar perigo comum, pelo fato dele estar supostamente dirigindo em velocidade incompatível com a via e ter feito uma ultrapassagem irregular, assumindo o risco de causar o acidente e pela impossibilidade de defesa da vítima, que não teve como evitar a colisão.

Segundo o juiz, “nesta fase processual, é cabível a desclassificação do crime de homicídio doloso para o delito de homicídio culposo”. Isso pode ser feito, segundo ele, “quando restar estreme de dúvidas que o crime cometido é diverso”.

O homicídio culposo é aquele em que não há a intensão de matar, diferente daquele que é classificado como doloso. Já o homicídio com dolo eventual é aquele em que o acusado assume o risco de matar.

Para o juiz, “há alguns indicadores que, em tese, geram possibilidades ou incertezas que poderiam ser consideradas para o hipotético reconhecimento do dolo eventual”, mas lembra que “a competência para análise e decisão a respeito de tais elementos é constitucionalmente atribuída ao Tribunal do Júri”.

Catarina Mercadante ficou presas às ferragens em acidente na SP-333 em Echaporã (SP) — Foto: Arquivo pessoal
Catarina Mercadante ficou presas às ferragens em acidente na SP-333 em Echaporã (SP) — Foto: Arquivo pessoal

A audiência contou com a leitura de uma carta pela mãe da vítima, Mana Mercadante, e terminou com a concessão de cinco dias para a defesa do acusado apresentar as alegações finais por escrito. O prazo se esgotou e o juiz realizou o pronunciamento.

“Estamos vivendo os piores dias de nossas vidas, enterrar um filho não faz parte da lógica”, diz trecho da carta da mãe de Catarina. “Meu primeiro Dia das Mães sem minha filinha”, completa.

Uma carta assinada por professores do curso de Medicina, em que a vítima estava matriculada, também foi apresentada. No texto, os docentes exaltam as qualidade de Catarina como aluna e ser humano e lamentaram a perda.

A denúncia do Ministério Público do Estado de São Paulo (MP-SP) para tornar Luís Paulo réu no processo que investiga o acidente foi aceita pela Justiça em março de 2023 que negou o pedido de prisão preventiva solicitado pela Polícia Civil após a conclusão do inquérito.

A promotoria recorreu da decisão da 1ª Vara Criminal de Assis e Luís Paulo teve a prisão preventiva decretada pelo Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJ-SP) no dia 2 de maio. Ele se apresentou à Delegacia de Ituverava (SP) em companhia de advogados.

No entanto, Luís voltou a responder o processo em liberdade após uma liminar concedida pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), que reverteu a ordem de prisão do TJ. A decisão foi cumprida no dia 8 de maio de 2023. O processo segue em segredo de Justiça.

O acidente

Catarina morreu após colisão frontal entre a caminhonete e o carro que ela dirigia na noite do dia 29 de janeiro de 2023, na Rodovia Rachid Rayes (SP-333), em Echaporã, entre Assis e Marília (SP).

A Polícia Rodoviária foi acionada e encontrou, na altura do quilômetro 365, os veículos batidos de frente no acostamento da estrada.

O trecho, que estava em obras na época, é de pista simples em ambos os sentidos e a ultrapassagem no local é proibida, segundo foi registrado no boletim de ocorrência. A vítima fazia o trajeto entre Assis, onde morava, e Marília, onde estudava medicina.

Catarina Mercadante teve seu carro atingido de frente por caminhonete em Echaporã (SP) — Foto: Arquivo pessoal
Catarina Mercadante teve seu carro atingido de frente por caminhonete em Echaporã (SP) — Foto: Arquivo pessoal

Carta à filha

Cati,

Quando você partiu, eu fiquei com raiva a Deus, afoguei-me em um mar de perguntas e parecia não ter forças para reagir… Como algo tão cruel foi acontecer com a nossa família? Por que Deus permitiu isso?! O que eu farei com esse vazio dentro de mim?!

Confesso que não imaginava ser capaz de passar por tudo isso, pois uma parte de mim foi junto com você e também uma parte do futuro que sempre imaginei tendo você por perto… Minha risada mudou de som, o meu olhar perdeu a cor e a minha voz trocou de tom…

Quando você partiu, eu desejei ir também, eu até pensei em desistir e achei que não fosse conseguir.

De repente, no meio do meu luto, lembrei-me de tudo que me ensinou, das nossas histórias, das nossas conversas e do quanto você foi e é importante, pensei nas minhas joias que dependem de mim, o Pedrinho, o Juju e seu pai, que me motivam todos os dias a continuar e me fortalecem todos os dias e foi aí que me dei conta do quanto Deus é maravilhoso, pois me deu força para seguir, levantar para viver, para te honrar e amar cada vez mais, amar a minha família e que podemos juntos com todo amor que você deixou, reconstruirmos nossa história.

Agradeço a Deus todos os dias por ter me dado você de presente para eu cuidar por 22 anos e prometi a Ele não chorar mais de tristeza e sim de gratidão!

E continuar vivendo com todo amor, carinho e ternura que deixou…

A saudade é e será sempre uma visita constante, mas já entendo que a nossa separação é momentânea, pois sei e tenho certeza da vida eterna e me preparo todos os dias para Deus me dar a graça de alcançá-la.

Filha, te amo para sempre, daqui a eternidade!

Com amor,

Mamãe.

Mana Mercadante com a filha Catarina Mercadante, que morreu após batida de trânsito em Echaporã — Foto: Arquivo pessoal
Mana Mercadante com a filha Catarina Mercadante, que morreu após batida de trânsito em Echaporã — Foto: Arquivo pessoal

Fonte: G1

Compartilhe

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

destaques da edição impressa

colunistas

Cláudio Pissolito

QUAL O MELHOR PRESENTE PARA PALMITAL NO ANIVERSÁRIO DE 103 ANOS?

Esta votação foi encerrada (since 5 meses).

VOTE NA ENQUETE ABAIXO - ESCOLHA APENAS UMA OPÇÃO

Melhoria na Saúde
35.06%
Melhoria na Segurança
14.34%
Melhoria no Horto Florestal
13.15%
Melhoria do Povo
11.95%
Melhoria na Educação
8.76%
Melhoria nas Estradas Rurais
6.77%
Melhoria na Arborização
3.98%
Melhoria na habitação
3.98%
Melhoria na Assistência Social
1.99%

Foto do Leitor

Envie sua Imagem de fato positivo ou negativo

HORÁRIOS DE ÔNIBUS

Clique na Imagem e Acesse os Horários

TV JC

Temas

Don`t copy text!

Entrar

Cadastrar

Redefinir senha

Digite o seu nome de usuário ou endereço de e-mail, você receberá um link para criar uma nova senha por e-mail.