Com homenagens, vítimas de acidente são sepultadas em Assis e Tarumã
‘Campeão, Cleuza e Aparecidinho’ num show realizado na CECAP
Compartilhe

Não faltou emoção no sepultamento das três pessoas de Assis envolvidas no acidente ocorrido na madrugada de domingo (21/07), rodovia Miguel Jubran (SP-333), em Tarumã. De acordo com a Polícia Militar Rodoviária (PMR), o motorista de um dos carros havia acabado de sair do Posto Pioneiro e seguia em direção a Assis, quando entrou na contramão da via e colidiu de frente com um veículo.

 

Entre o domingo e na manhã desta segunda-feira, em Tarumã, o Velório Municipal recebeu dezenas de violeiros da região e inúmeros amigos do senhor Aparecido Leonardo dos Santos, o “Aparecidinho violeiro”, de 82 anos, que residia na CECAP, em Assis. Os filhos decidiram sepultá-lo em Tarumã, onde estão os restos mortais de seus familiares.

 

“Foi comovente ver aqueles antigos violeiros cantando clássicos da música caipira no velório e sepultamento, em homenagem ao ‘seo’ Aparecidinho”, contou um fã do violeiro e cantor.

 

O atual colega de dupla do senhor ‘Aparecidinho’, José Aparecido Nunes da Silva, o ‘Zé Campeão’, de 59 anos, foi velado na Catedral de Assis e sepultado no final da tarde desta segunda-feira, no Cemitério Municipal da Saudade. Dezenas de amigos que viajaram para Tarumã, também estiveram no velório em Assis para se despedir do cantor, que dirigia o carro no momento do acidente.

 

Um pouco antes do sepultamento de ‘Campeão’, também no Cemitério de Assis, com a presença de familiares e amigos, foi sepultada Cleuza de Andrade Cardoso, a ‘Tia’, de 52 anos, que sempre acompanhava a dupla nas suas apresentações. Ela acompanhou a dupla numa apresentação na noite de sábado e estava no veículo retornando para Assis, quando aconteceu o acidente nas primeiras horas de domingo, na SP-333, rodovia Miguel Jubran.

 

Uma quarta vítima fatal do acidente, Elizamar Sineli Capanhela, de 36, residente em Osasco, que estava em outro carro, foi levada para a cidade de Cambira, no Paraná, onde foi velada e sepultada.

 

A Polícia Científica do Instituto de Criminalística esteve periciando o local para fazer um laudo que aponte as prováveis causas do acidente.

Fonte: Jornal da Segunda

Compartilhe

Deixe uma resposta