Com piora de índices do covid, governo deve colocar Estado de SP na fase vermelha aos finais de semana
Compartilhe

Após mais uma semana de piora nos indicadores do covid-19 em São Paulo, a gestão João Doria (PSDB) deve anunciar nesta sexta-feira (22/01) regras mais restritivas de isolamento social, e determinar que todo o estado fique na fase vermelha do plano de flexibilização econômica aos finais de semana.

Além da permanência temporária na fase mais restritiva, na qual apenas serviços essenciais podem funcionar, regiões como a capital paulista e a Grande São Paulo devem regredir para a fase laranja nos dias úteis, na qual os bares não podem operar.

Desde o início do ano, o governo paulista tem feito reclassificações semanais. No final de 2020, a gestão estadual chegou a colocar o estado na fase vermelha durante as festas de final de ano para tentar evitar aglomerações e, consequentemente, os riscos de contaminação.

O Plano São Paulo prevê o rebaixamento para fases com regras mais restritivas da quarentena em regiões que apresentam grande aumento semanal de novas internações, mortes, casos ou taxa de ocupação de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

“As restrições de horários e serviços têm como objetivo diminuir a circulação das pessoas e, com elas, do vírus.”

Apesar de destacar o aumento da ocupação de leitos de UTI no interior e na Grande São Paulo, o governo não antecipou quais são as regiões que devem mudar de fase.

“Tivemos como taxa de ocupação em leitos de UTI na Grande São Paulo um aumento significativo em números percentuais, especialmente de 5 de janeiro até 19 de janeiro, em que passamos de 65% para 70,5%. No interior e no litoral essa média foi maior, [subiu] cerca de 10% do início de janeiro até dia 19 de janeiro, mostrando nitidamente a franca expansão da pandemia principalmente no interior. O estado como um todo teve um incremento de 8% nas taxas de ocupação de UTI”, disse o secretário estadual da Saúde, Jean Gorinchteyn, durante coletiva de imprensa nesta semana.

Na terça-feira (19/01), o coordenador do Centro de Contingência do Coronavírus, Paulo Menezes, já havia adiantado que a piora nas taxas de ocupação de UTI poderia levar ao rebaixamento da Grande São Paulo, que inclui a capital, e da região de Sorocaba.

Cinco municípios da Grande São Paulo já apresentaram índices acima de 80% na última sexta-feira (15/01). Isso fez com que o governo recomendasse que os prefeitos adotassem medidas da fase vermelha – a mais restritiva – mesmo que a região tivesse sido mantida na amarela.

Segundo a última reclassificação do Plano São Paulo, no dia 15 de janeiro, apenas a região de Marília foi rebaixada oficialmente para a fase vermelha.

Dez regiões estão atualmente na fase laranja, e outras seis, incluindo a Grande São Paulo, na amarela.

MORTES E CASOS EM ALTA

O estado já registra média diária de mortes por Covid-19 acima de 200 há mais de 13 dias seguidos, o que não acontecia desde setembro de 2020.

Tanto os novos óbitos quanto os novos casos de coronavírus estão com tendência de alta. Na terça, SP ultrapassou a marca de 50 mil mortes provocadas pela doença.

Fonte: G1

Compartilhe

Deixe uma resposta