Em 14 dias do ano, cidades do interior de SP já têm mais mortes por Covid do que em novembro inteiro
Compartilhe

Nos 14 primeiros dias do ano, as cidades de Campinas, Piracicaba, Marília, Americana, Franca e São José dos Campos já registraram mais mortes por covid-19 do que em todo o mês de novembro, quando o interior de São Paulo começou a apresentar repique da pandemia, segundo apontam estatísticas.

Numa situação descrita pelo prefeito Luciano Almeida (DEM) como “descontrolada”, Piracicaba vem quebrando seguidamente o recorde de novos casos diários foram 342 na quinta (14/01) e já tem mais que o dobro do total de casos registrados em novembro. Na comparação, os mortos de janeiro são quase 50% a mais.

Um surto de Covid-19 entre funcionários fechou na quarta (13/01), por 15 dias, uma unidade do Centro de Referência em Assistência Social (Cras) da cidade.

Após reunião com a Guarda Civil Municipal, a Polícia Civil, a Polícia Militar e o Centro de Vigilância em Saúde, o prefeito afirmou que vai agir com “tolerância zero” contra aglomerações.

“A situação está descontrolada e muito séria. O município está registrando aumentos constantes de contágio e de ocupação de leitos hospitalares. Se a situação persistir, poderemos não ter mais leitos para aqueles que precisam de atendimento hospital”, afirmou Almeida em nota.

“A falta de responsabilidade de seguimento da sociedade poderá levar a uma situação insustentável, e o município não terá capacidade para dar suporte ao crescimento absurdo dos indicadores da Covid.”

São José dos Campos teve em janeiro 2,5 vezes mais casos confirmados do novo coronavírus e 2,2 vezes mais óbitos do que em novembro. A cidade do Vale do Paraíba tem hoje 79,6% dos leitos de UTI exclusivos para Covid ocupados.

A cidade de Marília, da qual Palmital integra a região administrativa, também já acumula mais óbitos e casos em janeiro do que em todo o mês de novembro. Por falta de vagas de UTIs para Covid tanto públicas quanto particulares, os doentes passaram a ser transferidos para outras localidades da região desde a segunda (11/01).

Franca também tem batido os próprios recordes de novos casos confirmados em 24 horas, chegando a 341 nesta quarta no ano passado, o máximo havia sido 184, em 18 de setembro. Os casos confirmados de janeiro já são 114% a mais do que o total de novembro e 29% a mais do que em dezembro.

Após três dias seguidos com 100% dos leitos públicos de UTI para Covid ocupados, a taxa caiu para 93,33%. Contando a rede particular, a ocupação é de 82,69%.

Em Campinas, os casos confirmados em janeiro já representam 94,5% do total registrado em novembro, enquanto o número de mortes é 31% superior. Desde segunda (11), a metrópole está com 100% dos leitos da UTI estadual ocupados, com a taxa geral de ocupação de leitos de cuidado intensivo em 80,87%, incluindo a rede privada. Até sexta, a cidade deve ganhar 12 novos leitos no SUS municipal.

Americana, na região metropolitana de Campinas, já tem nos primeiros 14 dias de janeiro 73% dos casos confirmados em novembro e o dobro de mortes. A cidade protagonizou em dezembro um embate com o governo do estado por se recusar a seguir regras mais rígidas e autorizar o comércio a funcionar por mais tempo.

Os casos confirmados de Covid em Ribeirão Preto já são 60% do total de novembro, e a prefeitura reativou na última terça (12) o Polo Covid, que havia sido fechado em outubro. Mesmo após um aumento na última semana de 25 leitos de UTI para pacientes de coronavírus (redes pública e particular), 72,5% deles estão ocupados hoje.

Em Limeira, o aumento dos casos também fez com que a prefeitura instalasse uma tenda para atendimentos exclusivo para Covid. A taxa de ocupação hospitalar na cidade hoje é de 80%, segundo a Secretaria da Saúde.

Com a piora nos índices em várias partes do estado, incluindo na Grande São Paulo, o governador João Doria (PSDB) antecipou para sexta-feira (15/01) a reclassificação do Plano São Paulo, antes programada para 5 de fevereiro.

No último dia 7, o governo do estado alterou os parâmetros do Plano São Paulo, dificultando a migração para a fase verde, mas flexibilizando o funcionamento de atividades na fase laranja. Além disso, a nova versão do plano tem como alvo a redução do lazer noturno, reduzindo horário de abertura de bares.

Atualmente, as regiões de Registro, Presidente Prudente, Marília e Sorocaba —que correspondem a 10% da população do estado— estão na fase laranja (a segunda mais restritiva). Já o restante de São Paulo está na fase amarela.​

Fonte: Jornal da Cidade de Bauru

COVID NO INTERIOR DE SÃO PAULO

PIRACICABA

Novos casos

Nov/20: 1.531

Jan/21: 3.272

Novas mortes

Nov/20: 11

Jan/21: 16

SÃO JOSÉ DOS CAMPOS

Novos casos

Nov/20: 1.853

Jan/21: 4.665

Novas mortes

Nov/20: 28

Jan/21: 62

CAMPINAS

Novos casos

Nov/20: 4.152

Jan/21:3.924

Novas mortes

Nov/20: 48

Jan/21: 63

AMERICANA

Novos casos

Nov/20: 905

Jan/21: 661

Novas mortes

Nov/20: 10

Jan/21: 21

MARÍLIA

Novos casos

Nov/20: 1.171

Jan/21: 1.728

Novas mortes

Nov/20: 16

Jan/21: 25

FRANCA

Novos casos

Nov/20: 877

Jan/21: 1.875

Novas mortes

Nov/20: 22

Jan/21: 13

Compartilhe

Deixe uma resposta