• Post category:Editorial
Compartilhe

“…o que se busca é alguma vantagem para apenas cumprir a obrigação funcional e constitucional.”

 

Desde que o governo de Jair Bolsonaro passou a enviar projetos de lei ao Congresso Nacional sem a costumeira contrapartida de ofertas e negociações, as relações entre Legislativo e Executivo ficaram estremecidas. Como legítimo representante da oligarquia política carioca, que há décadas saqueia o Estado que já foi Capital Federal, o deputado Rodrigo Maia, filho-herdeiro do ex-prefeito de três mandatos e vereador César Maia e genro do ex-governador e ex-ministro de vários presidentes, o sempre presente Moreira Franco, além do parentesco com o ex-senador José Agripino Maia, cobrou “articulação”.
Como eufemismo de termos considerados pejorativos, mas muito próximos da chamada palavra “governabilidade”, muito usada pelos ex-presidentes Lula e Dilma, e cuja definição se resume em comprar votos de deputados e senadores por meio de propinas e da corrupção, o que se busca é alguma vantagem para apenas cumprir a obrigação funcional e constitucional. Diante da irredutível posição do presidente que ameaçou explicar o significado do termo, optou-se pelo armistício temporário que pode garantir a votação da reforma da previdência. Mas a vingança ficou recolhida para outra ocasião.
A indignação de Maia diante do termo “velha política” mostra seu comprometimento com o passado e a dificuldade em mudar a atitude negada por mais da metade dos novos legisladores eleitos com a proposta da renovação de hábitos e fim dos maus costumes. Afinal, um projeto de lei enviado ao Legislativo não necessita de interferência do Executivo, mas apenas que sua tramitação seja encaminhada de maneira séria e responsável pela necessidade de salvar o país de uma crise sem precedentes. Junto com o Governo Federal, sofrem as consequencias da irresponsabilidade os governos estaduais e as prefeituras, que repassam a conta ao povo.
Para resumir o pensamento, lembramos que a velha política se resume no sistema de troca de vantagens por votos, no apoio das maiorias compradas, no pagamento do Mensalão e na participação no Petrolão, entre outros delitos como o superfaturamento, as obras inacabadas, o desvio de verbas e as organizações criminosas. A nova política não admite falcatruas, ameaças, desonestidade, vantagens indevidas, mordomias e muito menos o uso do cargo para objetivos pessoais. Afinal, o tempo dos fiscais das portas arrombadas, aqueles que esperam acontecer o pior para denunciar o que já se perdeu e ainda tirar algum proveito, faz parte do passado.

Compartilhe

Deixe uma resposta