Lado paranaense do Vale Paranapanema tem grande incidência de dengue
Compartilhe

A Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) do Paraná divulgou no dia 11 de junho o informe técnico número 37, com os novos números da dengue. Houve aumento de 12,02% na ocorrência de novos casos, com 1.449 confirmações. Agora o Estado totaliza 13.504 casos desde agosto de 2018. Esta semana não foi registrado nenhum novo caso de morte no Estado. No total são 17 óbitos em todo o Paraná.

 

Dados atualizados esta semana pela 18° Regional da Saúde de Cornélio Procópio apresentam que em Bandeirantes já são 230 casos confirmados e 704 notificados, caracterizando o Município ao quadro epidemico da doença, ao lado das cidades de Abatia, Andirá, Cornélio Procópio, Leopolis, Rancho Alegre, Santa Mariana, Santo Antônio do Paraíso, Sertaneja e Urai. Em estado de alerta estão os municípios de Itambaracá, Nova América da Colina e Santa Amélia.

Segundo o coordenador da Vigilância Sanitária da Secretaria Municipal de Saúde, Reinaldo Marqui, mesmo com todas as recomendações e orientações, ainda há falta de conscientização de moradores nos cuidados de prevenção e limpeza para evitar criadouros do Aedes. “O município está trabalhando com os bloqueios, que é o tratamento realizado pelos agentes de endemias, buscando e eliminando possíveis criadouros. Assim como estamos fazendo as notificações e atendimento aos pacientes suspeitos de dengue, e ainda o monitoramento das pessoas que apresentam algum sinal de complicação”, explicou. O Município está no aguardo do envio pelo Estado o insumo para aplicação do fumace.

 

NÃO PODE PARAR – De acordo com a secretária de Saúde de Bandeirantes, Daiane Tomé, mesmo com a aproximação do inverno, os cuidados não podem parar. Ela orienta que para evitar criadouros do mosquito transmissor da dengue é preciso: evitar o acúmulo de lixo e entulhos; deixar fechados sacolas e recipientes com lixo; manter as caixas d’água, galões, tonéis ou tambores sempre vedados; remover a sujeira das calhas e ralos; não deixar pneus com água e em lugares descobertos; deixar garrafas ou baldes com a boca para baixo; verificar bandejas de ar-condicionado e geladeiras mantendo-as limpas e sem água; colocar areia até a borda nos pratos de vasos de flores e plantas; manter vasos sanitários sem uso fechados; tratar a água de piscinas e fontes uma vez por semana; esticar lonas para não formar poças; lavar os recipientes de água dos animais com esponja e sabão.

 

“Mesmo no inverno, como existe variações climáticas nas regiões, devemos nos manter alertas, eliminando todo e qualquer recipiente que possa acumular água”, orientou.

Fonte: Folha do Norte

Compartilhe

Deixe uma resposta