Luto na pandemia: Freud explica?
Sigmund Freu perdeu uma filha na pandemia da Gripe espanhola, em 1920
Compartilhe

Com mais de 3 milhões de mortes, o sentimento de perda se instala. Sigmund Freud, que perdeu sua filha para a epidemia de gripe espanhola em 1920, pôde elaborar seu luto? O que os psicanalistas têm a dizer em tempos de pandemia?

A realidade imposta pela pandemia não só abriu fendas inimagináveis em saberes como ciência, medicina e cultura, mas também obrigou a população a sepultar seus mortos com escassos rituais fúnebres.

Frente a esse quadro, psicanalistas refletem e buscam escutar as diversas respostas possíveis que cada sujeito é capaz de criar para o mal-estar que assola nossa civilização.

As mortes pela Covid-19, por conta do perigo de novas contaminações, trouxeram restrições às cerimônias de despedida, culminando em mais uma consequência para os que ficam: como poder se despedir sem contar com o apoio dos que também amaram, conviveram e se relacionaram com aquele que morreu?

Essas cerimônias são importantes para que a dor possa ser expressa e compartilhada, já que o processo de luto é essencialmente caracterizado por uma tristeza que leva a pessoa a se ensimesmar.

A psicanalista Marilene Kovalski, autora de um dos textos de Psicanálise e Pandemia, da Aller Editora, recorreu a Freud para elaborar uma resposta sobre o momento que vivemos e foi surpreendida com a semelhança entre o relato do pai da psicanálise e o sofrimento de milhões de pessoas que vivem atualmente com as restrições impostas aos rituais de luto.

Em trecho de uma carta enviada a Pfister sobre a perda de sua filha, Sophie para a pandemia de gripe espanhola, Freud escreve:

“Nesta tarde, recebemos a notícia de que nossa doce Sophie em Hamburgo havia sido arrancada de nosso convívio por grave pneumonia, arrancada em meio a uma saúde brilhante, de uma vida plena e ativa como mãe”.

Para Freud foi um choque, pois o rito de transitoriedade entre o antes e o depois, a vida e a morte, havia sido ceifado. Quais seriam então as consequências dessas mudanças na vivência do luto para a reorganização do psiquismo?

Para Fernanda Zacharewicz, psicanalista, publisher na Aller Editora e doutora em Psicologia Social pela PUC/SP, Freud analisa o luto como um processo inevitável. Ainda que se possa adiá-lo, não há como fugir dele eternamente.

Alguns conseguem lidar de forma mais natural, outros o transformam em melancolia e outras patologias e podem precisar de ajuda de um profissional da área da saúde mental para seguir em frente.

A verdade é que o vazio deixado por quem se foi é diferente para cada um. E é a partir dele que o sujeito terá que construir novas possibilidades de vida. A psicanálise ainda tem muito o que construir sobre o luto. A solução definitiva não existe, a elaboração do luto é sobretudo um processo de criação própria de cada sujeito.

Sobre a editora: A Aller Editora oferece em seu catálogo obras que se debruçam sobre os temas cruciais da teoria e da prática clínica, desde seus fundamentos até as repercussões dos debates atuais sobre o sujeito contemporâneo. Inspirada pelo verbo francês aller, que significa “ir”, a casa editorial convida leitores, atuantes na área de psicanálise ou não, a percorrer caminhos que cruzam fronteiras e a embarcar nesse desafio que é ler como movimento.

Compartilhe