Morador reivindica cofre com mais de R$ 35 mil que foi deixado para sucata pela Polícia Civil
Cofre com dinheiro encontrado em fundo falso por associação de catadores de Araçatuba
Compartilhe

Quantia foi encontrada por um catador da Associação de Papel, Papelão e Materiais Recicláveis de Araçatuba (SP) depois de ser descartado.

Um morador de Auriflama (SP) reivindicou os mais de R$ 35 mil que foram encontrados no fundo falso de um cofre deixado como sucata na Associação de Papel, Papelão e Materiais Recicláveis de Araçatuba (Acrepom).

“O dono ainda não foi localizado, mas apareceu uma pessoa dizendo que viu reportagens e que o cofre possivelmente é dela. Ela foi vítima de um roubo registrado em 2018”, afirmou o delegado responsável pelo caso, Abelardo Gomes.

O cofre, que estava danificado e com a porta arrombada, foi descartado pela Polícia Civil e entregue para virar sucata depois de ficar por dois anos na delegacia. O dinheiro foi encontrado pelo catador Manoel de Sá, de 63 anos.

Em entrevista, o catador afirmou que foi mexer no cofre para utilizá-lo como suporte de uma pia improvisada e encontrou o dinheiro.

“Fiquei apavorado e comecei a gritar. Nunca tinha visto tanto dinheiro em espécie na minha vida. Eu olhei e tinham pacotes e pacotes”, contou.

Os funcionários da cooperativa de recicláveis de Araçatuba devolveram o cofre e a quantia para a Polícia Civil, que começou uma investigação para encontrar o dono.

De acordo com o delegado, o morador que procurou a delegacia para reivindicar a quantia apresentou uma chave que seria do objeto.

“Estamos averiguando se o cofre é realmente da pessoa que procurou a delegacia. Nós encaminhamos a chave para a perícia para ver se realmente bate. Enfim, estamos aguardando para ver quais atitudes tomar”, explicou o delegado.

Dinheiro foi devolvido pela associação para a Polícia Civil — Foto: Arquivo Pessoal
Dinheiro foi devolvido pela associação para a Polícia Civil

Como cofre foi deixado para sucata?

O coordenador da Central de Polícia Judiciária de Araçatuba, Paulo César Cacciatore, explicou que o cofre foi encontrado no bairro Jussara, no ano de 2018, depois de uma denúncia anônima.

O objeto foi recolhido, levado para o 3º Distrito Policial e transferido para a Central de Polícia Judiciária em 2019, ano em que houve a unificação das delegacias de Araçatuba. Ele foi codificado e ficou guardado em um depósito.

“Via de regra, não sei se é o caso, recuperamos um cofre furtado, mas a vítima não vai atrás. Elas largam e temos que ficar insistindo para buscarem. Para a delegacia, aquilo é um verdadeiro estorvo”, explicou Paulo.

Segundo o delegado, uma limpeza nesse e em outros objetos apreendidos em ocorrências foi realizada. O cofre, então, foi levado para virar sucata. A decisão foi tomada depois de a polícia analisar boletins de ocorrências e não encontrar o dono.

“Se recebo uma ocorrência de um cofre, eu vou tentar encontrar a ocorrência original que pertence a um furto ou roubo, mas se eu não localizar, ele vai ficando. Eu já cuidei de casos que só faltou colocar o cofre na viatura e entregar na casa da pessoa, porque ela não vem buscar”, afirmou o delegado.

Incêndio na Associação que recebeu cofre

Em junho deste ano, a Associação que recebeu o cofre foi atingida por um incêndio que destruiu grande parte do galpão e equipamentos usados diariamente pelos catadores. Não houve registro de vítimas.

Um inquérito foi instaurado para investigar o caso. Menos de um mês depois, um laudo apontou que o incêndio foi provocado de forma criminosa.

Segundo a Polícia Civil, os peritos identificaram três focos diferentes, que não estavam interligados. O suspeito de cometer o crime ainda não foi localizado.

FONTE: G1

Compartilhe