Mulher dá à luz em carro de aplicativo de transporte
Compartilhe

Uma mulher deu à luz um bebê dentro de um carro de aplicativo de transporte na tarde desta sexta-feira (21/06) em Londrina. Desiree de Oliveira dos Santos, de 20 anos, entrou em trabalho de parto quando estava na zona norte da cidade e teve a criança no caminho para o Hospital Evangélico. De acordo com a assessoria do Evangélico, a mãe passou mal em casa e acionou o aplicativo para levá-la ao hospital. Segundo a instituição, Desiree estava completando quase 40 semanas e estava acompanhada da mãe, que deu todo o suporte no momento.

 

Desiree relatou à reportagem que levantou na sexta-feira após as 11h. Em seguida foi até a cozinha e sentiu uma cólica. “Foi uma cólica fraca, tipo de menstruação mesmo. Até comentei com a minha mãe que se o bebê não viesse de madrugada, viria no fim de semana agora. E ela me disse: ‘vai tomar um banho, às vezes não é nada. Toma um banho e já arruma a bolsa do neném'”, disse. “Não deu nem tempo de arrumar nada. Dentro do banheiro a dor duplicou. Eu lavei o cabelo e nem consegui secar. Só troquei de roupa, pedi para o pai da minha filha buscar ela e, enquanto isso, minha mãe ligou para o Samu”, declarou.

 

A mãe de Desiree conversou com um médico do Samu e ele informou que assim que liberassem uma ambulância já iria mandar para atendê-la. “Minha gravidez era de risco por eu ter a pressão baixa e falta de ar. E na hora que minha mãe ligou, eu estava com falta de ar. Depois disso, comecei a sentir as dores aumentarem e a sentir que ele estava fazendo força para sair. Eu comecei a segurá-lo e minha mãe disse para eu ligar para o Samu de novo, pois o bebê ia nascer lá em casa mesmo. Eles disseram de novo que assim que liberasse uma ambulância já mandariam lá, mas não ia dar tempo”, reforçou.

 

Logo em seguida, Desiree chamou um carro por um aplicativo. “O Elton foi super calmo. Me ajudou a entrar e a deitar no carro. Ele veio até aqui no hospital buzinando com o pisca alerta ligado e a minha mãe acenando para as pessoas pararem. Quando chegou no hospital, ele deu mais três buzinadas e as equipes já vieram me atender”, valorizou. De acordo com a mãe, o que impedia o bebê de nascer era a roupa. “Fiquei com medo de apertar e acontecer algo, então abaixei a calça até na metade da perna e ele nasceu ali mesmo no carro. Não fiz nem força”, acrescentou.

 

“Ela já sabia que estava pra nascer e já tinha chamado o Samu, mas estava demorando muito. Então ela chamou o carro pelo aplicativo”, contou o motorista Elton Mansano. O motorista afirmou à reportagem que estava nervoso, mas que tentou ajudar como pôde. “Acelerei o máximo possível para chegar a tempo, mas quando desci do carro para ajudá-la o bebê já estava apontando”, relatou Mansano.

 

Ao chegar ao hospital, a equipe médica auxiliou a situação e optou por finalizar o processo de parto dentro do carro. “Pela segurança dela e do bebê decidimos fazer lá mesmo. O bebê já estava quase todo para fora”, apresentou a enfermeira Carla Araújo do pronto-socorro do hospital. Ela disse que foi uma situação inusitada. “Teve uma emoção diferente e é uma nova vida chegando ao mundo”. A criança ganhou o nome de Samuel e nasceu com 3,951 quilos e 51 cm. Samuel e a mãe estão estáveis.

 

Além de Samuel, Desiree tem uma menina de 5 anos, a Maria Heloíse. “Ela está com o pai. Ela ainda não conheceu o irmãozinho”, disse a mãe. No entanto, ela adiantou que Maria não via a hora do Samuel chegar. “Ela dava beijinho na barriga e fazia carinho. Ela até viu quando eu estava sentindo as primeiras contrações e dizia: ‘ai, Samuelzinho, não dá trabalho para a mamãe, não. Para de fazer a mamãe sentir dor”, contou. Sobre seu primeiro parto, Desiree contou à reportagem que estava internada desde as 11h na época. “Não sentia dores, mas dilatava. Por volta das 2h a bolsa estourou e às 2h40, nasceu”, relatou. “Tive todo o acompanhamento na maternidade. Fiquei o dia todo em observação”. Na época, ela tinha 14 anos.

Fonte: Folha de Londrina

Compartilhe

Deixe uma resposta