Padre é preso dirigindo bêbado
Compartilhe
    jc cotidianoPadre pagou fiança e foi liberado após ser detido por embriaguez ao volante — Foto: Reprodução/Facebook

 

 

O padre Eder Zechi Dias, de 45 anos, foi preso depois de ser flagrado dirigindo bêbado na rodovia Transbrasiliana (BR-153), no município de Guaiçara, a aproximadamente 170 quilômetros de Palmital. O flagrante foi realizado por uma equipe da Polícia Rodoviária Federal durante fiscalização na noite desta terça-feira (5 de março) em frente à base da corporação do município, que fica na região central do Estado de São Paulo, na região de Lins.

Os policiais abordaram o carro que o padre Eder dirigia para fiscalização e, depois de fazerem o teste do bafômetro, constaram índice de 0,52 mg de álcool por litro de ar alveolar expelido, resultado que configura crime de trânsito. Durante o registro da ocorrência, que foi apresentada na Central de Polícia Judiciária (CPJ) de Lins, o clérigo admitiu que ingeriu bebida alcoólica em uma confraternização com amigos. Ele foi autuado em flagrante e pagou fiança de R$ 998 para poder responder ao processo em liberdade.

A embriaguez ao volante também acarreta processo administrativo em que o infrator tem de pagar multa de R$ 2,9 mil e perde o direito de dirigir por um ano. Depois do registro da ocorrência na Polícia Civil, o carro do padre Eder foi liberado a uma pessoa devidamente habilitada. O religioso, que é sacerdote católico desde 2002, desenvolve atualmente trabalho pastoral na Paróquia de São Sebastião, em Sabino, município vizinho a Lins.

Posteriormente, ao ser procurado pela reportagem do G1, o padre informou que pairava dúvida com a condição de embriaguez e pediu uma contraprova por exame de sangue, que deve sair em 90 dias. Ele alegou que tomou apenas duas latas de cerveja na manhã de terça-feira manhã e só dirigiu à noite. O religioso disse ainda que havia pegado de volta a sua carteira de habilitação que foi apreendida pela polícia durante o flagrante. A Diocese de Lins também foi procurada, mas não se manifestou sobre o caso.

Compartilhe

Deixe uma resposta