Polícia Civil de Palmital identifica suspeitos das agressões a Juninho Ortiz
Compartilhe

O jovem Eliseu Rodrigues Ortiz Júnior, o Juninho Ortiz, de 24 anos, foi violentamente agredido na concha acústica do Centro Cultural de Palmital no último sábado (13/07). Logo depois do crime, a Polícia Civil registrou a ocorrência e iniciou a apuração da autoria do caso, inicialmente considerado como lesão corporal de natureza grave.

 

O delegado Giovani Bertinatti, chefe da Delegacia de Palmital, informou que as investigações apontam para alguns suspeitos e que solicitou documentos médicos para averiguar a gravidade das lesões. Ele disse que também aguarda o restabelecimento da vítima para apurar mais informações sobre os acontecimentos, e que espera a manifestação do jovem para representação contra os agressores. Disse ainda que, dependendo do contexto dos fatos, a natureza do crime também poderá ser modificada.

 

Juninho foi resgatado até o Pronto-Socorro de Palmital com quadro de traumatismo craniano e encaminhado à UTI do Hospital Regional de Assis. As agressões, conforme apurado pelo JC, ocorreram na Praça Liliana Bergamaschi, ao lado da Concha Acústica do Centro Cultural Antônio Sylvio da Cunha Bueno.

 

O local é ponto de encontro de jovens durante as noites e há relatos de pessoas sobre uma briga que teria ocorrido durante a madrugada. Juninho foi visto pela manhã na calçada do outro lado da Rua Manoel Leão Rego, nas proximidades de um abrigo de ponto de ônibus. Ele estava de joelhos, inerte e com o rosto desfigurado devido às agressões, que impediam seu reconhecimento.

 

Pessoas que passavam pelo Jardim das Flores na manhã de sábado acionaram a Polícia Militar e o Samu por volta das 8 horas, quando o jovem foi socorrido até o Pronto-Socorro da Santa Casa de Misericórdia e depois transferido ao Hospital Regional de Assis com quadro de traumatismo craniano. Depois do atendimento, ele até chegou a esboçar reação, mas permaneceu inconsciente devido a um quadro de hemorragia intracraniana e foi internado na UTI.

 

A mãe de Juninho, Lucimara Scalla Ortiz, compartilhou a notícia do JC e usou o Facebook para manifestar tristeza e indignação com o ocorrido, afirmando que o rapaz foi agredido de forma covarde. “Este jovem é meu filho Juninho Ortiz. Uma tremenda covardia, o que fizeram com meu filho”, escreveu.

 

Por redes sociais um grande número de pessoas se solidarizou com a família e clamou por Justiça, além de fazer orações e intenções pelo restabelecimento do jovem vítima das graves agressões. Na segunda-feira, Juninho passou por cirurgia no Hospital Regional e permanece internado na UTI.

Compartilhe

Deixe uma resposta