Policiais da Rota detêm estudante de medicina com drogas e prendem traficante

Policiais da Ronda Ostensiva Tobias de Aguiar (Rota) detiveram um estudante de medicina por posse de drogas para consumo pessoal e prenderam um escriturário por tráfico de entorpecentes na noite desta terça-feira (26), em Presidente Prudente (SP).

Os rapazes, de 21 e 23 anos, foram encaminhados à Delegacia Participativa, onde a Polícia Civil decidiu manter preso o escriturário e liberar o universitário, após ouvi-lo, sob o compromisso de comparecer em juízo quando convocado.

De acordo com as informações do Boletim de Ocorrência, os policiais militares da Rota, que são lotados na cidade de São Paulo (SP) e estão designados para prestar serviço em Presidente Prudente, realizavam patrulhamento em uma viatura quando avistaram, nas proximidades do Hospital Regional (HR), um carro com placas de Regente Feijó (SP) que trafegava pela via pública com dois homens em seu interior.

Chamou a atenção dos militares o fato de o motorista que dirigia o veículo estar aparentemente fumando um cigarro de maconha. Quando avistou a viatura, o rapaz demonstrou nervosismo e jogou o cigarro pela janela do carro.

Os militares determinaram que o veículo parasse e foram prontamente atendidos. O motorista, que aparentemente estava em condições de dirigir, foi revistado e os policiais não encontraram nada ilegal em seu poder.

Os documentos do carro e do condutor também estavam em ordem. No entanto, o rapaz confirmou aos militares que estava fumando um cigarro de maconha, o qual havia jogado pela janela do carro. Segundo os militares, não foi possível encontrar a droga em decorrência da escuridão do local e da passagem de outros veículos pela via.

Ainda segundo os militares, foram encontradas no porta-luvas do carro porções de cocaína, haxixe e maconha. Na carteira do passageiro, os militares encontraram duas cartelas que continham no total 43 micropontos do que acreditaram ser a droga LSD.

Plantão no Hospital Regional

O estudante de medicina, que seguia como motorista do veículo, contou aos militares que conhecia o escriturário, que tinha pegado o passageiro na casa dele com seu carro e que estava indo para o HR, onde daria plantão como aluno.

O universitário também disse que deixaria o seu carro com o escriturário, para que o rapaz pudesse ir à casa da namorada dele.

Além disso, o estudante ainda assumiu que as drogas encontradas no porta-luvas eram suas e para seu consumo, pois seria viciado e usaria todo tipo de entorpecentes, menos crack, e que já tinha, inclusive, ficado internado para tratamento da dependência química.

Já o passageiro não assumiu a posse da droga encontrada em sua carteira, mas disse que tinha entorpecentes em sua casa, no Jardim Bela Vista.

Os militares dirigiram-se à residência e, com a autorização da mãe do rapaz, fizeram uma revista no imóvel.

No guarda-roupas do quarto do rapaz, dentro de uma mochila que estava no interior de uma mala, foram encontrados uma balança, diversos saquinhos plásticos utilizados na embalagem de droga, um pacote contendo 494 comprimidos do que os policiais acreditaram ser ecstasy e um outro pacote com um pó branco que deduziram ser cocaína.

Segundo o Boletim de Ocorrência, o jovem confessou que as drogas, a balança e os saquinhos para embalagem encontrados em sua casa eram seus e para a venda.

Os militares ainda dirigiram-se a um endereço onde seria a casa do suposto fornecedor de drogas para o escriturário, mas o imóvel estava fechado e, aparentemente, sem ninguém.

O escriturário disse que o estudante de medicina somente tinha passado em sua casa e iria ficar no HR, onde tinha plantão. O escriturário iria ficar com o carro do universitário para ir até a casa de sua namorada e “dar umas voltas”. Depois, o jovem pegaria o estudante no HR.

Os dois jovens foram levados pelos militares à Delegacia Participativa da Polícia Civil.

Deliberações

Na delegacia, o escriturário confessou que estava traficando cocaína e ecstasy e que a balança e os saquinhos também eram seus para a embalagem de drogas. Contudo, ele negou estar na posse de LSD.

Quanto à participação do outro jovem, o escriturário disse que o estudante de medicina era seu “cliente” comprador de droga e somente iria emprestar o carro dele para sair com sua namorada.

Também ouvido na delegacia, o universitário confirmou a versão apresentada aos militares.

A Polícia Civil, após analisar o caso, ratificou a voz de prisão em flagrante do escriturário por tráfico de drogas. O indiciado permaneceu no aguardo da audiência de custódia na Justiça e de posterior remoção ao Centro de Detenção Provisória (CDP) de Caiuá (SP), caso mantida a sua prisão.

Já o estudante de medicina foi liberado, depois de ouvido pela Polícia Civil e de ter se comprometido a comparecer em juízo quando convocado.

A Polícia Civil entendeu que a conduta dele enquadra-se como posse de drogas para consumo pessoal. No entanto, a própria Polícia Civil ponderou que, se surgirem no decorrer das investigações novos indícios, através de testemunhas e da verificação do celular do jovem, o universitário poderá também ser indiciado por tráfico de drogas.

Além das drogas, também foram apreendidos o veículo, mais de R$ 700 em dinheiro e celulares, que poderão auxiliar nas investigações.

Fonte: G1

Compartilhe

Deixe uma resposta

Fechar Menu
Não Permitido Cópia