Prefeitura faz trabalho preventivo à saúde da mulher no bairro São José
Compartilhe

Ônibus da Associação de Apoio ao Portador de Câncer de Presidente Prudente esteve na Praça Dona Morena para coleta de exames de Papanicolau

 

A Prefeitura de Palmital, por meio da Secretaria de Saúde, realizou na quinta-feira um trabalho preventivo voltado à saúde da mulher. Uma unidade móvel (ônibus) do programa de prevenção da Associação de Apoio ao Portador de Câncer (AAPC), vinculada à Fundação Hospital Regional do Câncer de Presidente Prudente, atendeu na região do bairro São José.

Os trabalhos contaram com a participação de alunos do curso de enfermagem da escola técnica Mário Antônio Verza (Centro Paula Souza), para realização de exames Papanicolau. De acordo com a Secretaria de Saúde, foram realizados 85 exames ginecológicos para o diagnóstico precoce do câncer do colo do útero.

O atendimento foi feito nos períodos da manhã e tarde na unidade móvel que ficou estacionada na Praça Dona Morena, ao lado do prédio do Projeto Ações Educativas, em uma das áreas com maior concentração de habitantes da cidade.

A campanha foi organizada por Vivian Aline Correa, coordenadora de Saúde da Mulher e Atenção Oncológica, além da gerente de saúde Juliana Garcia, que representou a secretária Daniele Andrade dos Santos.

O trabalho de triagem e avaliação, que incluiu aferição de pressão arterial, foi realizado por alunos de estágio do 2º módulo de enfermagem da Etec de Palmital, sob a supervisão da professora e enfermeira Daniele Marim Molero. Os estudantes também conheceram a estrutura da unidade móvel, que possui duas salas para exames e um consultório com espaço para pequenos procedimentos.

Os exames foram realizados pela enfermeira Valma Fontan Ferraz, da AAPC, que conversou com os estudantes de enfermagem e esclareceu dúvidas sobre o projeto itinerante para a prevenção ao câncer de colo de útero, ressaltando que os resultados são encaminhados diretamente para a Secretaria de Saúde.

A enfermeira explicou que, em caso de necessidade, é feito o devido atendimento à paciente que apresentar sinais ou algum sintoma e que a unidade móvel costuma receber mulheres que, geralmente, não procuram as unidades básicas para o acompanhamento rotineiro da saúde ginecológica.

 

 

Palmital não apresenta caso suspeito de sarampo

Secretaria de Saúde apenas monitora um idoso se teria tido contato com um paciente da doença em Marília; município oferece vacina à população

 

A Secretaria de Saúde da Prefeitura de Palmital informou que não há caso suspeito de sarampo na cidade. A doença, que teve dois casos confirmados em Marília, deixou em alerta as autoridades de saúde da região devido ao risco de proliferação. A enfermidade é considerada grave e pode ser transmitida entre as pessoas por meio do ar. Além de causar o risco de morte, pode deixar sequelas como cegueira, surdez e diminuição da capacidade mental. 

De acordo com a Vigilância Epidemiológica (VE) de Palmital, está sendo feito o monitoramento de um idoso, de 90 anos, que esteve no Hospital das Clínicas de Marília no dia do atendimento de um dos pacientes que tiveram a doença confirmada. Porém, o ele não apresenta qualquer sintoma que possa levar a suspeita do sarampo.

Segundo a enfermeira Lucéia Sartori, coordenadora da VE, como não houve notificação da doença em Palmital e os trabalhos ficam baseados no monitoramento e orientações à população.

A imunização prevista para crianças começa com um ano de idade por meio da vacina tríplice viral (sarampo, rubéola e caxumba), com uma dose de reforço três meses depois. Para adultos, o esquema começa com uma primeira dose antes dos 30 anos e termina com a segunda dose antes dos 60 anos.

Nesta semana, devido ao número de casos registrados na região da grande São Paulo, a Secretaria de Estado da Saúde anunciou a ampliação da campanha de vacinação contra sarampo nos municípios vizinhos à capital. O público-alvo são jovens e adultos com idade entre 15 e 29 anos, faixa etária considerada mais vulnerável a infecções, tendo em vista a menor procura pela segunda dose da vacina.

Os primeiros sintomas do sarampo são febre alta, tosse, coriza e conjuntivite, seguidos de manchas avermelhadas pelo corpo. A transmissão da doença ocorre de forma direta e rápida, por meio de secreções expelidas ao tossir, espirrar, falar ou respirar. As partículas virais ficam suspensas no ar. Por isso, existe o elevado poder de contágio da doença.

Compartilhe

Deixe uma resposta