Compartilhe

Estão sendo feitos bloqueio a criadouros e nebulização contra o Aedes aegypti após a confirmação da doença em uma gestante; paciente se recuperou e bebê não corre risco

 

jornal da comarca saúde
Trabalhos incluem bloqueio de criadouros e nebulização do mosquito transmissor

 

A Secretaria de Saúde da Prefeitura de Palmital iniciou a semana com uma ação emergencial de combate à dengue no centro da cidade. O trabalho, que incluiu bloqueio a criadouros e nebulização para eliminação do Aedes aegypti, ocorreu depois da confirmação de um novo caso da doença, cuja vítima foi uma gestante que já se recuperou e o bebê não corre risco de complicações. O objetivo é evitar a proliferação do inseto, que registra elevado índice de infestação na cidade, e prevenir uma possível aumento da transmissão que ocasione uma epidemia da doença, pois há vários casos em cidades da região que preocupam as autoridades sanitárias.

A Vigilância Epidemiológica informou que o combate ao mosquito foi motivado pela confirmação de uma gestante que reside na região entre a Secretaria de Saúde e o estádio do PAC, cuja notificação foi feita no dia 25 de janeiro, em Andirá (PR), onde ela faz o pré-natal em clínica particular e teve o exame laboratorial positivo no dia 29. O período de contaminação coincidiu com a realização da Taça Palmital de Futebol, que trouxe grande número de pessoas à cidade para jogos nos campos de futebol e hospedagem nas escolas da cidade.

A informação de que a mulher, que está no último trimestre da gravidez, contraiu dengue chegou à Secretaria de Saúde na semana passada, fazendo com que a ação emergencial fosse iniciada na segunda-feira. A equipe de Controle de Endemias fez o bloqueio aos criadouros e a nebulização com inseticida em raio de 200 metros da residência da paciente, cujo trabalho tem previsão de estar concluído na quarta-feira. Este é o primeiro caso autóctone (contraído no município) do ano em Palmital. No total, foram registradas nove notificações, com um caso importado e cinco negativos. Outros dois ainda estão sob investigação, aguardando resultados laboratoriais. 

De acordo com dados da Secretaria da Saúde, Palmital encontra-se com elevado nível de infestação pelo Aedes aegypti. A equipe de Controle de Endemias realizou, entre 7 e 18 de janeiro, a identificação de larvas em imóveis, cujo índice representou quase quatro focos a cada 100 residências, quando o nível ideal seria zero.

No mesmo período do ano passado o resultado foi de 8,3, mas não houve pessoas afetadas pela doença nos quatro primeiros meses de 2018. E, no início de 2019, mesmo com índice menor de infestação, a cidade já registra dois casos da doença.

Compartilhe

Deixe uma resposta