Secretaria de Saúde faz ação preventiva na escola Oswaldo
Compartilhe

Programas mantidos pela Secretaria de Saúde estão promovendo ciclo de palestras com estudantes dos ensinos fundamental e médio da escola estadual

 

Saúde jC

 

A Secretaria de Saúde da Prefeitura de Palmital está realizando um importante trabalho preventivo de saúde mental junto aos jovens da escola estadual Oswaldo Moreira da Silva. Nesta semana, foi iniciado um ciclo de palestras que aborda diversos temas relacionados aos transtornos e dificuldades que afetam adolescentes atualmente, possibilitando a identificação de situações de risco e o encaminhamento para atendimento especializado em caso de necessidade.

A iniciativa, que envolve os programas de Saúde Mental e Saúde do Adolescente da Prefeitura, foi aberta na última quarta-feira com palestra ministrada pelo psicólogo Tales Lazarin, que atua no Centro de Saúde de Palmital. A palestra, que foi realizada no período da tarde, teve tema relacionado ao bullying. Na manhã de ontem, o profissional esteve novamente na unidade para uma palestra com voltada à identificação de transtornos que levam ao suicídio.

A programação, que também abordará situações como automutilação e depressão ao público dos ensinos fundamental e médio, seguirá até o final do mês.  Os próximos encontros estão previstos para a próxima segunda-feira, com atividades nos períodos da manhã, às 8h40, e tarde, às 13h30. Também estão previstas palestras nos dias 22 de maio, de manhã e à tarde, e 27 de maio, com atividades à tarde.

Segundo a secretária de Saúde Daniele Andrade dos Santos, o trabalho desenvolvido pelo órgão municipal tem como objetivo a prevenção de complicações de distúrbios mentais junto à população jovem. Ela destacou que a escola Oswaldo foi escolhida para as ações iniciais devido ao público de adolescente apresentar maior vulnerabilidade. A proposta da Prefeitura, informou, é expandir o programa a outras escolas estaduais e particulares, criando uma ampla rede de orientação e apoio à juventude.

Daniele destacou que a saúde mental é uma das prioridades para garantir o bom desenvolvimento dos adolescentes, que atualmente apresentam elevada incidência de distúrbios que levam ao atendimento psiquiátrico e psicológico. Porém, destacou, alguns preferem não buscar apoio especializado em unidades básicas de saúde. “Em alguns casos, constatamos que os jovens estão se automedicando com remédios que encontram em casa, geralmente usados por pais ou familiares para o tratamento de transtornos, e não procuram a rede pública de saúde”, explicou.

Compartilhe

Deixe uma resposta