Secretaria de Saúde notifica casos suspeitos de sarampo em Palmital
Compartilhe

A Secretaria de Saúde da Prefeitura confirmou que está acompanhando dois casos suspeitos de sarampo em Palmital. As notificações foram feitas na semana passada, quando os pacientes apresentaram sintomas e foram encaminhados para hospitais, onde recebem cuidados médicos. Como medida preventiva, o órgão municipal vacinou as pessoas que convivem ou frequentam os mesmos locais que os doentes.

 

De acordo com o órgão municipal, os casos suspeitos foram notificados na quarta-feira passada (21/08), quando dois pacientes, um idoso de 86 anos e uma mulher de 27, foram atendidos no Pronto-Socorro da Santa Casa com sintomas de sarampo, inclusive com vermelhidão pelo corpo. Em comum, informou a Vigilância Epidemiológica (VE), está o fato de que os dois estiveram em unidades de atendimento de saúde em Marília, município onde já há casos confirmados da doença. O homem ficou internado em hospital e a jovem passou por atendimento em consultório particular.

 

A equipe de saúde fez a coleta de exames e os encaminhou ao Instituto Adolf Lutz de São Paulo, que deverá emitir laudo dentro de aproximadamente quinze dias. A Secretaria de Saúde realizou um bloqueio com a aplicação de aproximadamente 300 doses da vacina tríplice viral nos funcionários da Santa Casa de Palmital, nos familiares dos pacientes e em locais onde os doentes convivem ou trabalham. “Todas as pessoas vacinadas permanecerão sob monitoramento por 30 dias”, informou a enfermeira Lucéia Sartori, coordenadora da VE.

 

A enfermeira disse que, como houve uma ação de bloqueio para imunizar pessoas que tiveram contato com os doentes, a vacina foi feita indiscriminadamente, não observando a dose anterior e a idade, incluindo bebês a partir de seis meses – a imunização só é indicada para crianças a partir de um ano de vida. Lucéia explicou que, para uma pessoa ficar imune, deve receber duas doses da vacina até os 29 anos. Na faixa etária dos 30 a 59, basta apenas uma aplicação. “A vacina leva 15 dias para fazer efeito e garantir a proteção. Alguns profissionais, como técnicos da saúde e professores, necessitam obrigatoriamente de duas doses”, orientou.

 

A coordenadora da VE disse também que, como as crianças menores de seis meses não podem ser vacinadas, e os pais devem evitar circular com elas em locais em que haja risco de infecção. “Palmital conta com uma cobertura alta para sarampo entre a população infantil e a primeira dose vacina foi liberada inclusive para crianças a partir de seis meses. E os adultos também devem estar vacinados. A única restrição ocorre para pessoas alérgicas a ovo e a leite, que não podem tomar a vacina, salvo em caso de prescrição médica”, finalizou Lucéia.

Compartilhe

Deixe uma resposta