BRASILEIRA QUE ATENDEU ROMERO BRITTO EM GALERIA EM MIAMI RELATA: ‘ELE É GROSSO E SE SENTE SUPERIOR’
Romero Britto mora em Miami
Compartilhe

Uma brasileira que trabalha em Miami, nos EUA, relatou ao EXTRA uma experiência negativa que afirma ter tido com Romero Britto na cidade americana, em 2015.

Na ocasião, ela, que é contratada de uma empresa americana desde 2010, se reuniu com o artista plástico pernambucano para tratar de uma exposição dele, e durante o encontro Romero a teria tratado com superioridade, exigindo que ela só falasse com ele em inglês. Romero Brito ganhou repercussão nos último dias após viralizar um vídeo em que a venezuelana Madeleyne Sánchez, dona de um restaurante em Miami, quebra uma obra de arte dele em sua própria loja, afirmando que o artista teria maltratado seus funcionários.

“Ele também me tratou com ar de superioridade e faltou humildade. O conheci em 2015, nos EUA. Éramos três brasileiros na reunião, incluindo ele, e ele preferiu fazer em inglês. Ok, fiz em inglês. Ele deve ter esquecido a primeira língua dele, esqueceu de onde veio”, desabafou a brasileira, que preferiu não se identificar para não ser prejudicada no trabalho.

“Fui recebê-lo dizendo algo como ‘bem-vindo’ e fiquei sem resposta. O convidei para ir à galeria, para acertamos como seria a exposição, e comecei falando português. Ele respondeu em inglês e disse que gostaria que toda a comunicação fosse em inglês. Achei estranho, ele sempre agiu com ar de superioridade. Éramos três brasileiros na sala de reunião, porém, foi uma exigência dele falar em inglês. Ele é grosso, se sente superior”, afirmou ela.

A brasileira relatou ainda que Romero é uma pessoa difícil de lidar e que o artista se apresenta como sendo de Miami. “Sempre recebi artistas mais valorizados que ele na galeria. Ele não fala que é brasileiro, ele diz que é de Miami. No portifólio da apresentação dele, diz ‘Romero Brito vem de Miami para apresentar sua arte’. Com ele, tudo precisa ser acordado antes, com outros artistas, não. E ele também não dá entrevistas em português”.

Ela ainda comenta o episódio ocorrido em 2017, mas que foi viralizado na última sexta-feira, quando a dona de um restaurante em Miami quebrou uma obra do artista diante dele: “Ela representou muitos, porque ele tem um ar de superioridade. Ele se sente uma estrela. E, sinceramente, não vende tanto assim”.

Um dia após o ocorrido, Romero se manifestou sobre o assunto, contando que o incidente aconteceu há três anos, e lamentou o julgamentop das pessoas nas redes sociais.

“O vídeo do incidente ocorreu em 2017 no qual todos podem ver que fui vítima de uma pessoa que foi a uma de minhas galerias de arte e quebrou uma escultura que havia ganhado. Uma peça pesada de porcelana que, ao quebrar em pedaços, poderia ter causado danos a mim, a ela ou a qualquer outra pessoa no local. É lamentável, mas a integridade física das pessoas foi colocada em risco naquele momento. Infelizmente, há pessoas que querem ficar famosas às custas de outro. Através da minha arte, meu propósito sempre foi o de levar alegria, amor e esperança a todos. Não admito desrespeito e jamais tive a intenção de desrespeitar alguém. A internet é muitas vezes injusta e as pessoas não estão preocupadas com a verdade. Gostam de confusão, drama, negatividade, de julgar sem analisar os fatos. Vou continuar minha missão de alegrar o mundo, que como nunca precisa de mais amor, felicidade, esperança e otimismo”, disse ele em nota enviado ao EXTRA.

A cliente que jogou a escultura no chão foi ao local para reclamar da forma como Britto teria tratado os funcionários de seu restaurante, Olé Olé And Tapelia, localizado em frente à galeria. Ela diz que seu marido havia lhe comprado aquela obra, da qual ela gostava.

Indignada, Madeleyne Sánchez contou na frente do artista e dos fãs dele que Britto teria reservado uma mesa para 20 convidados em seu estabelecimento para sentar-se sozinho, gastando apenas US$ 8 de consumação. A mulher afirma que ele teria ainda pedido um desconto e tradado os funcionários de forma grossa.

FONTE: Extra

Compartilhe