Empresa propõe uso de traje especial em aviões contra contaminação por vírus
Compartilhe

A empresa VYZR Tech parece estar se preparando para uma guerra biológica, mas já quer testar seu novo traje de proteção contra a COVID. Pelo menos é que o que está prometendo seu novo projeto BioVYZR, que purifica o ar do usuário ao nível hospitalar, criando uma atmosfera exclusiva e blindando-o do contato com o ar externo.

O BioVYZR atualmente está numa pré-venda, custando US$ 250, e a empresa diz em seu site que pode finalmente dar às pessoas a confiança de fazer suas atividades normalmente, inclusive viajar de avião, enquanto totalmente protegidas contra vírus. O traje futurista, segundo a empresa canadense, deve começar a ser entregue no próximo mês.

O que há no traje

O BioVYZR é uma camada externa, projetada para fornecer um grau incomparável de proteção contra riscos aéreos. Seu design fornece um casulo de 360 ​​graus para proteger seu espaço pessoal por todos os lados. Ele também possui um sistema interno de purificação de ar para filtrar patógenos, alérgenos e poluentes do ar que você respira. Ele usa a tecnologia Powered Air Purifying para criar uma pressão positiva

Segundo o fabricante, o BioVYZR é um tipo de EPI conhecido como Respirador Purificador de Ar (ou PAPR). Estes foram utilizados anteriormente apenas em ambientes industriais ou de saúde. Os principais benefícios do BioVYZR são:

  • Protetor facial anti-embaçante com alta clareza óptica
  • Superfície exterior fácil de limpar
  • Colete de neoprene
  • Duas correias laterais ajustáveis ​​com fivelas
  • Luvas reversíveis para tocar com segurança no rosto
  • O ventilador dura mais de 12 horas com uma única carga
  • Fonte de alimentação recarregável de 10.000 mAh
  • Ventilador ultra silencioso com 3 configurações de fluxo de ar
  • Inclui 1 embalagem de 10 recargas de filtro N95
  • Tamanho único para a maioria (adultos). Tamanho infantil disponível.
  • Compacto e Empacotável
  • A porta USB permite alimentar o BioVYZR, esteja você parado ou em movimento, usando qualquer fonte de alimentação compatível com USB.

Uso em aviões

A empresa VYZR Tech destaca no site do produto que seu uso se aplica a qualquer ambiente fechado, inclusive aeroportos e aviões.

Hoje não há regras que impeçam alguém de usar esse equipamento extremo de EPI a bordo – afinal, esse é um novo produto no mercado, no entanto, dificilmente a pessoa poderá passar pelo Raio-X trajando uma roupa como essa, tendo que tirá-la para recolocar posteriormente.

Além disso, existem outras considerações de segurança além do risco de transmissão de vírus no ar que as companhias aéreas vão considerar. Em primeiro lugar, a questão de uma evacuação de emergência deve ser considerada e até que ponto um “trambolho” desse pode impactar a saída da aeronave, sobretudo num cenário em que várias pessoas estiverem usando o mesmo tipo de equipamento. Outra pergunta ocorreria para o raro caso de uma descompressão no meio do voo, onde cada segundo conta. Será que dá tempo de tirar esse capacete e colocar a máscara de oxigênio com agilidade.

Além disso, há a questão das comodidades ou necessidades básicas, como ficar sem comer, beber ou sem ir ao banheiro, por que o espaço dos toaletes são limitados. O próprio assento tem limitação de espaço e duas pessoas viajando lado a lado com esse equipamento poder enfrentar certo desconforto.

Yezin Al-Qaysi, co-fundador da VYZR Technology, no entanto, está convencido de que o BioVYZR é um design vencedor que se tornará popular no ‘novo normal’ que o COVID-19 criou. Segundo ele, a empresa já levantou mais de US$ 544.000 em investimentos para transformar o protótipo em realidade. Alega-se que mais de 50.000 compradores já encomendaram os dispositivos futuristas.

Em resumo

Novas ideias de dispersão e isolamento social a bordo das aeronaves têm sido oferecidas todos os dias, embora os jatos de passageiros mais modernos possuam sofisticados filtros que trocam o ar da cabine a cada par de minutos. No entanto, sempre haverá quem entende que isso não é o ideal e desejará mais proteção, sendo esse o nicho do BioVYZR.

Como tudo é muito novo, é impossível afirmar até que ponto esse equipamento será aceito pelas pessoas e nos aeroportos e aviões, no entanto, se os números da VYZR Tech estiverem corretos e mais de 50 mil pessoas já tiverem encomendado, ver passageiros com esse dispositivo será questão de tempo e caberá aos aeroportos e operadores aéreos encontrar uma forma de recebê-los nos aviões.

FONTE: Aeroin

Compartilhe