Compartilhe

Ilana Kalil, mulher do ginecologista Renato Kalil, foi encontrada morta em sua casa em São Paulo, nesta segunda-feira (14). A assessoria de imprensa do médico e a Secretaria de Segurança Pública confirmaram a morte.

Ilana era nutricionista de formação, além de instrumentadora cirúrgica, tinha 40 anos e deixa duas filhas, ambas frutos de seu relacionamento com Renato Kalil. Recentemente, ela saiu em defesa do marido nas redes sociais depois que o médico foi acusado de violência obstétrica no parto da influenciadora digital Shantal Verdelho.

De acordo com a SSP, o caso foi registrado como suicídio, e os detalhes serão preservados. A assessoria de Kalil disse que não divulgará nota a respeito.

Quem é Renato Kalil

Kalil é médico com especialização em ginecologia e obstetrícia. Foi responsável pelo parto de celebridades como Luciana Gimenez e Andréa Sadi. Formado pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, em 1988, tem especialização em ginecologia e obstetrícia e é membro da Febrasgo (Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia), da Associação de Obstetrícia e Ginecologia do Estado de São Paulo e da Sogesp (Sociedade Brasileira de Reprodução Humana).

Em dezembro de 2021, a fama —e o reconhecimento profissional de Kalil— foram colocados à prova, depois que a influenciadora Shantal Verdelho compartilhou as filmagens do parto de seu segundo filho. No vídeo, Renato aparece ofendendo a paciente, chamando-a de “viadinha”, realizando a manobra de Kristeller e tentando convencê-la a tomar uma medicação que acelera o trabalho de parto, mas é contraindicada para mulheres que já realizaram cesárea anteriormente.

A denúncia veio a público depois que um áudio de Shantal comentando o episódio foi compartilhado em grupos do WhatsApp. A influenciadora decidiu levar a denúncia adiante, e registrou um boletim de ocorrência contra o médico, o que permitiu que a Justiça abrisse um inquérito para investigar a atitude do ginecologista.

Em janeiro deste ano, Shantal comentou sobre o assunto com Universa e afirmou que sua intenção era protocolar um projeto de lei que criminalizasse a violência obstétrica —o termo, que se refere a maus tratos antes, durante e depois do parto, não consta no Código Penal.

Na ocasião das acusações, por meio de seu advogado, o médico divulgou uma nota afirmando que: “não praticou violência obstétrica” e que “a edição dos vídeos e das falas [dele durante o parto dela] induzem a erro de interpretação do que verdadeiramente ocorreu”.

FONTE: UNIVERSA UOL

* Caso você esteja pensando em cometer suicídio, procure ajuda especializada como o CVV e os CAPS (Centros de Atenção Psicossocial) da sua cidade. O CVV funciona 24 horas por dia (inclusive aos feriados) pelo telefone 188, e também atende por e-mail, chat e pessoalmente. São mais de 120 postos de atendimento em todo o Brasil.

Compartilhe