Novo estudo classifica as melhores e piores máscaras contra a Covid-19
As máscaras N-95 com válvulas - projetadas para ambientes industriais em que a expiração do usuário é menos importante do que o que ele inspira - tiveram um desempenho quase igual às máscaras de algodão, em termos de quantidade de spray transmitida.
Compartilhe

Pesquisa publicada na Science Advances analisou 14 tipos de produtos comumente disponíveis

Um novo estudo analisou 14 tipos de máscara comumente disponíveis para avaliar sua eficácia na proteção contra o coronavírus. Os resultados mostraram que a mais eficaz é a N95, usada por profissionais de saúde. Máscaras cirúrgicas de três camadas e as de algodão também tiveram um bom desempenho.

Pesquisadores da Universidade Duke, nos Estados Unidos, fizeram um simples experimento para avaliar o nível de proteção das máscaras. Eles equiparam uma caixa preta com um laser e uma câmera de celular e fizeram com que uma pessoa falasse na direção do feixe de laser dentro da caixa a seguinte frase “mantenham-se saudáveis, pessoal”, cinco vezes.

O teste foi feito sem máscara, para servir como controle, e repetido com os 14 tipos de máscara analisados. Algumas foram testadas por quatro pessoas diferentes. A câmera registrou a quantidade de gotas respiratórias emitidas pela fala e um algoritmo determinou quantas gotas vazaram pela máscara.

Os resultados mostraram que as máscaras profissionais N95 reduziram a transmissão de gotículas para menos de 0,1%. As máscaras cirúrgicas de três camadas ou de polipropileno vieram em seguida, reduzindo a transmissão de gotículas em 90% ou mais, em comparação com a ausência de cobertura facial.

Máscaras de algodão, feitas a mão, forneceram uma boa cobertura, eliminando 70% a 90% das gotículas expelidas pela fala. Por outro lado, as bandanas dobradas apenas reduziram as gotículas perdidas em cerca de 5%. Já a lã de pescoço – acessório frequentemente usado por corredores – aumentou a quantidade de spray. Uma possível explicação para esse fenômeno é que o tecido dispersa as gotas maiores em muitas gotas menores, aumentando a quantidade.

As máscaras N-95 com válvulas – projetadas para ambientes industriais em que a expiração do usuário é menos importante do que o que ele inspira – tiveram um desempenho quase igual às máscaras de algodão, em termos de quantidade de spray transmitida.

“Queremos enfatizar que realmente incentivamos as pessoas a usarem máscaras, mas queremos que elas usem máscaras que realmente funcionam”, disse Martin Fischer, um dos autores do estudo, à rede americana CNN.

Confira abaixo o ranking das máscaras, de acordo com o estudo. A ordem é da que protege mais, para a que protege menos:

1- N95
2- Máscara cirúrgica descartável
3- Máscara de polipropileno e algodão (o material sintético polipropileno é colocado entre duas camadas de algodão)
4- Máscara de polipropileno de amarrar (duas camadas de material sintético)
5 – Máscara de algodão de amarrar*
6- Máscara de amarrar feita com duas camadas de algodão*
7- N95 com válvula
8- Máscara de algodão costurada a mão*
9- Máscara de algodão plissado da empresa americana Hudson’s Hill, sediada na Carolina do Norte, de camada única*
10 – Máscara de algodão plissado de camada única*
11- Máscara de algodão plissado de camada dupla*
12 – Máscara feita com tecido de camiseta
13 – Bandana dobrada usada como máscara
14 – Gola de pescoço usada como máscara

*De acordo com o estudo, todas as máscaras de algodão tiveram desempenho semelhante. A diferença está associada ao quão alto a pessoa fala e ao ajuste da máscara no rosto.

FONTE: Veja

Compartilhe