• Post category:Editorial
Compartilhe

“…o primeiro atendimento será feito no Pronto Socorro Municipal gerido pela Santa Casa.”  

 

Em várias ocasiões foi abordado neste espaço a questão do valor social e econômico da Santa Casa de Palmital para a população da cidade e também da região, uma vez que o hospital atende vítimas de acidentes nas rodovias e, com frequência, muitas pessoas encaminhadas de outros municípios. Como único hospital existente em raio de 30 quilômetros, o serviço de pronto atendimento é o primeiro acionado pelas ambulâncias do Samu, pelo serviço de resgate do Corpo de Bombeiros e, principalmente, pelos moradores de Palmital que necessitem de atendimento de urgência em casos graves, onde devem ser estabilizados para transferência .

Independente da condição econômica ou social do paciente, de possuir ou não plano de saúde com ampla cobertura, que pode incluir até transporte aéreo, na grande maioria dos casos de urgência o primeiro atendimento será feito no Pronto Socorro Municipal gerido pela Santa Casa. Assim sendo, o plantão permanente de profissionais competentes e habilitados para a função, equipamentos para exames e diagnósticos rápidos, assim como laboratório de análises em plantão é que fazem a diferença para que as consequencias de um infarto ou AVC sejam minimizadas ou deixem sequelas e também entre a vida e a morte.

Além de salvar vidas e evitar consequencias futuras, o primeiro atendimento é um suporte de segurança para as grandes empresas que mantém funcionários em escala de revezamento e para socorrer as pessoas fragilizadas em momentos de aflição causadas pelas doenças repentinas ou agravamento das já existentes. Junto ao serviço básico e obrigatório a ser mantido pelo Município, soma-se a necessidade de uma equipe de retaguarda capaz de dar continuidade ao atendimento e oferecer as melhores condições de recuperação da saúde dos internados.

Além do serviço de pronto socorro, de estabilização de pacientes, de diagnósticos rápidos, dos leitos de internação e dos centros cirúrgicos equipados para intervenções programadas ou emergenciais, a Santa Casa é também uma grande geradora de empregos e renda. Entre funcionários diretos e indiretos, médicos e prestadores de serviços, cerca de 150 famílias dependem diretamente do funcionamento do hospital que, a qualquer custo, deve ser mantido em funcionamento com a melhor qualidade. Afinal, a Santa Casa é onde vem a luz a grande maioria dos palmitalenses e também onde morrerão, com assistência e dignidade, praticamente todos os nossos moradores. A Santa Casa não tem preço, tem muito valor.

Compartilhe

Deixe uma resposta