PF cumpre mais de 150 mandados em 12 estados e no DF em operação contra tráfico de drogas
PF de SP cumpre 22 mandados de prisão e 60 de busca e apreensão
Compartilhe

Agentes tentam prender 50 pessoas, 22 delas no estado de São Paulo. Traficante preso em Jundiaí em 2019 foi peça-chave para deflagrar operação desta terça (18). Justiça determinou apreensão de fazendas, aviões, além do bloqueio de R$100 milhões.

A Polícia Federal realiza na manhã desta terça-feira (18) uma megaoperação contra o tráfico internacional de drogas em 12 estados e no Distrito Federal.

São cumpridos 139 mandados de busca e apreensão e 50 mandados de prisão (20 prisões preventivas e 30 prisões temporárias).

São Paulo concentra a maior parte dos mandados, sendo 22 de prisão e 60 de busca e apreensão. De acordo com a PF de SP, até as 10h, três pessoas tinham sido presas na capital paulista e outras três no interior. Também foram apreendidos cerca de R$ 77,6 mil em dois endereços no Brás, no Centro de São Paulo.

Resumo:

  • PF realiza operação para desarticular tráfico internacional de drogas
  • Mandados são cumpridos em 12 estados e no DF
  • SP concentra maior parte dos mandados
  • Investigações começaram em 2018 pela PF de Pernambuco
  • Traficante preso no interior de SP em 2019 foi peça-chave para deflagar operação
  • Justiça determinou sequestro de bens como aviões, helicópteros e propriedades rurais, além do bloqueio de R$ 100 milhões ligados a investigados na operação

 

No estado de SP, o objetivo central da operação é a prisão do traficante Caio Bernasconi Braga, conhecido como Alemão.

Procurado desde 2019, o traficante se identifica como agente comercial e usa o nome falso Wilhiam Alexandre Cespedes Prieto, segundo apurado pela TV Globo. Ele estaria ligado à quadrilha chefiada por Sérgio de Arruda Quintiliano Neto, o Minotauro, preso no ano passado em Camburiú.

As investigações começaram há dois anos pela Polícia Federal de Pernambuco. Uma das peças-chave da operação foi o traficante Romilton Queiroz Hosi, preso em Jundiaí, no interior paulista, em março de 2019.

Ele permaneceu foragido da Justiça brasileira por 10 anos e era procurado pela Polícia Federal e pela National Crime Agency – NCA, do Reino Unido.

Policiais retornam à sede da PF de SP com malotes  — Foto: Vinicius Godoy/TV Globo

Policiais retornam à sede da PF de SP com malotes

Operação Além Mar

Batizada de Além-Mar, a operação também ocorre nos estados de Alagoas, Bahia, Ceará, Goiás, Mato Grosso do Sul, Pará, Paraíba, Pernambuco, Paraná, Rio Grande do Norte, Santa Catarina e no Distrito Federal.

Os policiais investigam o crime de lavagem de dinheiro, além de buscarem provas para confirmar o envio de drogas para o exterior e o uso de helicópteros para o transporte de cocaína pelo Brasil.

Segundo a PF, toneladas de cocaína foram exportadas para a Europa pelos portos brasileiros, especialmente no Porto de Natal no Rio Grande do Norte. Entre março e julho, foram apreendidos mais de 1,5 tonelada de cocaína.

A Justiça Federal determinou a apreensão de aviões (7), helicópteros (5), caminhões (42) e imóveis (35) urbanos e rurais (fazendas) ligados aos investigados e ao esquema criminoso, além do bloqueio de R$100 milhões.

Justiça determinou sequestro de helicópteros dentro de megaoperação da PF contra tráfico de drogas — Foto: Polícia Federal/Divulgação

Justiça determinou sequestro de helicópteros dentro de megaoperação da PF contra tráfico de drogas

Um dos bens que teve o sequestro determinado pela Justiça Federal em megaoperação da Polícia Federal foi uma fazenda — Foto: Polícia Federal/Divulgação

Um dos bens que teve o sequestro determinado pela Justiça Federal em megaoperação da Polícia Federal foi uma fazenda

Carro de luxo apreendido chega na sede da Polícia Federal, no Recife, nesta terça-feira (18), em megaoperação contra o tráfico internacional de drogas — Foto: Anchieta Américo/TV Globo

Carro de luxo apreendido chega na sede da Polícia Federal, no Recife, nesta terça-feira (18), em megaoperação contra o tráfico internacional de drogas

Entenda o esquema

  • Segundo as investigações, quatro organizações criminosas atuavam conjuntamente para exportar cocaína para a Europa por meio de portos brasileiros, especialmente no Porto de Natal/RN.
  • Três das quatro organizações atuavam em São Paulo, sendo duas na capital paulista e uma em Campinas, no interior do estado.
  • Um dos núcleos na cidade de SP operava no Brás e servia como banco, era responsável pelas movimentações financeiras
  • A droga vinha do Paraguai e era distribuída por vias áreas em território nacional e internacional por uma das organizações de SP e outra de Campinas
  • A quarta organização operava no Recife, e era composta por empresários do setor de transporte de cargas, funcionários e motoristas de caminhão cooptados. O núcleo era responsável pela logística de transporte rodoviário da droga e o armazenamento de carga até o momento de sua ocultação nos contêineres.

FONTE: G1

Compartilhe