• Post category:Editorial
Compartilhe

“…o primeiro e mais importante atendimento para diagnóstico correto e estabilização do paciente será realizado no Pronto Socorro…”

 

A recorrência do tema Santa Casa de Misericórdia neste espaço de opinião se justifica pela importância da recuperação, manutenção e melhoria do único hospital de Palmital, que dispõe de estrutura para atender com boa qualidade todos os municípios da Comarca e outros da região. Também é bom relembrar que o Pronto Socorro da Santa Casa é a porta de entrada para os casos de urgência e emergência que não escolhem hora ou lugar para acontecer. Afinal, mesmo as pessoas mais abastadas, com planos de saúde de primeira linha e com condições de buscar os melhores hospitais, estão sujeitas a receber o primeiro atendimento pelo médico plantonista.

O exemplo recente mais emblemático foi o caso do atentado contra a vida do então candidato e hoje presidente da república Jair Bolsonaro. Ao receber uma criminosa e covarde facada no abdômen, quando fazia campanha na cidade de Juiz de Fora, no interior de Minas Gerais, o atendimento emergencial, assim como a primeira cirurgia, foi feito pela equipe da Santa Casa da cidade. Graças à competência e a especialização dos médicos que atuam naquela unidade de saúde de caráter filantrópico, os procedimentos foram corretos e a intervenção alcançou o objetivo desejado, garantindo a sobrevivência do ilustre paciente que depois foi transferido para acompanhamento numa instituição de excelência, em São Paulo, cujos profissionais elogiaram o trabalho feito inicialmente.

O mesmo exemplo se aplica ao nosso hospital, pois em caso de acidente de qualquer natureza, seja doméstico ou de trânsito, de algum caso de doença repentina relacionado à circulação que afete gravemente o sistema coronário ou neurológico, o primeiro e mais importante atendimento para diagnóstico correto e estabilização do paciente será realizado no Pronto Socorro da Santa Casa.

É bom lembrar que nosso hospital filantrópico não serve apenas aos mais carentes, àqueles que dependem do SUS ou aos que são resgatados pelas ambulâncias municipais ou pelo serviço do Samu, mas sim a todos os palmitalenses que a qualquer momento podem necessitar de atendimento de urgência. Portanto, a união de esforços em torno da recuperação do hospital é uma necessidade premente, de alcance humanitário e de valor absolutamente inestimável, comparável à importância que cada cidadão dá à própria vida. E, diante dessa realidade, resta a todos arregaçar as mangas para, de qualquer maneira, ajudar a salvar nossa Santa Casa.

Compartilhe

Este post tem um comentário

  1. Ana

    Passou da hora de tirar o Rogati de lá!

Deixe uma resposta