Casos de abuso sexual contra crianças e adolescentes aumentam 53% na quarentena em Bauru
Compartilhe

Casos de abuso sexual de crianças e adolescentes tiveram um aumento de mais de 50% nos primeiros 60 dias de quarentena em Bauru (SP). Os dados são da Secretaria Municipal de Bem-Estar Social (Sebes).

 

De março a abril deste ano, 43 casos chegaram à Sebes, enquanto no mesmo período de 2019, o número foi de 28, um aumento de 53,5%. De janeiro até agora também houve aumento no número de ocorrência em comparação ao mesmo período do ano passado.

 

Outro dado preocupante do levantamento é que 90% dos casos de abuso contra crianças e adolescentes acontecem dentro de casa, e a maioria deles praticada por homens.

 

Para a diretora de departamento de Sebes, Rose Carrara, o atual momento de pandemia causada pelo coronavírus pode explicar a quantidade de casos. “Acreditamos que o isolamento social tenha contribuído, porque as criança ficam em casa, não vão para a escola. E a escola é um órgão importante para identificação destes casos”, disse a diretora.

 

Neste ano, o município já registrou 134 casos de violação dos direitos de crianças e adolescentes, enquanto até maio de 2019, o número foi 115. As estatísticas são importantes para alertar sobre a necessidade de traçar ações que coíbam estes crimes.

 

O secretário da Sebes, José Carlos Fernandes, reforça que a secretaria continua com seus atendimentos e intensificou a atuação durante a quarentena. “A Sebes tem desenvolvido um trabalho de conscientização neste momento de quarentena, na questão da violência. Quando se trata de crianças e adolescentes, CREAS e Conselho Tutelar trabalham juntos para atender a demanda que já existia antes e, agora, com a Covid-19, estamos tomando mais cuidado ainda para acolher os casos que nos chegam da melhor forma possível”, comenta.

 

AÇÕES MUNICIPAIS

Para articular e potencializar as políticas públicas de proteção a crianças e adolescentes, Bauru tem o Centro de Referência de Assistência Social (CREAS), mantido pela Sebes.

 

Polo de referência, coordenação e articulação das proteções sociais de média e alta complexidade, o CREAS tem como público alvo famílias e indivíduos em situação de risco pessoal e social com violação de direitos.

 

O atendimento dos indivíduos é feito por meio de encaminhamentos ou demanda espontânea, com equipe formada por assistentes sociais, psicólogos e advogados. Após o primeiro atendimento do usuário, é feito um plano de acompanhamento, com o objetivo de superar a situação de risco, dando orientações em relação à função protetiva da família.

 

“A primeira ação é tentar fortalecer os vínculos familiares, se isso não for possível, o caso é encaminhado para os órgãos competentes para aplicação de medida protetiva, ou até mesmo, o acolhimento da criança ou do adolescente”, afirma Rose Orlato, responsável pelo Creas.

 

MAIO LARANJA

Frente à crescente dos números de violações de direitos de crianças e adolescentes, o Ministério lançou na última segunda-feira (18/05) a Campanha Nacional Maio Laranja.

 

A ação será promovida pela Secretaria Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente e terá como objetivo, a realização de atividades para conscientizar a sociedade e combater o abuso e exploração de menores.

Fonte: G1

Compartilhe

Deixe uma resposta