• Post category:Editorial
Compartilhe

“…em casa que falta pão, ou caminhão, todo mundo grita e ninguém tem razão…”

 

A nova polêmica entre o prefeito e a Câmara de Palmital surgiu após um incêndio em um canavial, quando o antigo caminhão pipa da Prefeitura se deslocou para ajudar no combate e acabou sofrendo uma pane. Indagado por um agricultor pelo aplicativo Whatsapp, o prefeito disse que no empréstimo que pretendia junto à Caixa estava incluída a aquisição de um veículo com essa finalidade, mas que os vereadores, que não trazem recursos para o município, não aprovaram a operação de crédito e que a observação deveria ser dirigida a eles. O áudio circulou pelas redes sociais e foi enviado aos vereadores, que se manifestaram de forma contundente na sessão de segunda-feira.

Na discussão principal que acabou sendo travada, foi alegado que a Prefeitura não pode ter um veículo de combate a incêndio, de responsabilidade do Corpo de Bombeiros, e que a cidade não possui uma guarnição porque já existe uma em Assis. Mas, como em casa que falta pão, ou caminhão, todo mundo grita e ninguém tem razão, ambas as afirmativas são incorretas. Na verdade, a Prefeitura pode manter uma Brigada de Combate a Incêndio ativa, desde que disponibilize veículos e equipamentos adequados à finalidade e faça o treinamento correto dos funcionários.

A falta de uma corporação de Bombeiros em Palmital não se deve à existência em Assis, pois em Cândido Mota, a cinco quilômetros de distância, possui uma unidade que, com frequência, atende em Palmital. O que deve ser questionado são as unidades em cidades muito próximas, enquanto Palmital e os municípios vizinhos ficam desguarnecidos devido à distância. Diante dessa falha grave na disposição geográfica dos Bombeiros, o que deve ser feito é levar a questão aos órgãos estaduais e cobrar, com a mesma veemência das discussões travadas, a instalação de uma unidade do Corpo de Bombeiros em Palmital.

Outro assunto ligado à segurança, e que já foi tema neste espaço de opinião, é a existência de uma Companhia PM em Cândido Mota para atender a própria cidade e também Palmital, Platina, Ibirarema e Campos Novos Paulista. Mais uma vez constata-se o erro da existência de uma unidade policial de grande efetivo muito próxima a Assis, que já possui Batalhão, Companhia, Pelotões e Destacamentos. Pela lógica da posição geográfica e da estratégia operacional das forças de segurança, a Companhia PM deveria ser em Palmital, para facilitar o atendimento a outras cidades e acabar com a concentração em Assis e Cândido Mota. Essas são duas brigas boas para a cidade.

Compartilhe

Deixe uma resposta