Peço licença às queridas professoras que admiro tanto para esclarecer certos pontos sobre os coletivos na língua portuguesa. Os coletivos desempenham papel de suma importância, pois através deles podemos nos expressar nas entrelinhas, bater na cangalha para o burro entender. Os coletivos são os específicos e os não específicos.     Que bichos são esses? Do meu jeito de explicar coletivos servem para bater na cangalha para o burro entender. O coletivo – assembléia – por exemplo, define uma reunião de pessoas, até deputados e senadores. Às assembléias aplicam-se outro coletivo denominado sessões. São sessões que servem apenas para discutirem assuntos irrelevantes  ativadas até no recesso parlamentar, porque geram jetons. Jeton é uma verba extra, paga pelo contribuinte, que reforça os proventos dos pais da pátria. 

Há coletivos também para designar reuniões de bichos, os que não ganham jetons. Para reunião de cada tipo de quadrúpede o coletivo recebe um nome.  Para definir uma reunião de cavalos, jumentos, burros, bestas e zebras e antas (que é o que não falta), usa-se o coletivo – manada. Aos primeiros desses eqüinos, em grupo, dá-se também o nome de cavalhada. Também se diz, de forma pernóstica, uma récua de burros ou de jumentos e, ainda, uma tropa, dependendo do número de animais.

Para designar uma reunião de insetos que picam, incomodam, azucrinam, também se usam coletivos. Emprega-se enxame quando se tratam de abelhas, vespas, maribondos, moscas. E nuvem – quando se trata de gafanhotos, de cupins e de outras pragas semelhantes -, que destroem tudo até o erário público. Ao coletivo de cães dá-se o nome de matilha, mas é popularmente conhecida como cachorrada.

Pouco usado por alguns gramáticos o coletivo – vara de porcos – distingue grupos de suínos, que poderá ser simplificado por porcada, já que os bichos chafurdam na lama, seu habitat preferencial. Contrapondo àqueles que dizem que as raposas se reúnem em bando, aqui o coletivo mais usual é camarilha. Poderão ser usados também em forma de metáforas, por exemplo: uma camarilha reunida para derrubar um ministro que criou a “Lava Jato” para acabar com a corrupção e prender os corruptos. Uma camarilha reunida para que o Supremo declare prescrita as penas e os corruptos sejam postos em liberdade. Há outros coletivos como súcia, corja, cambada, que por prudência prefiro não comentar.

Leia também no JC Online

Compartilhe

Deixe uma resposta

Fechar Menu
Não Permitido Cópia